Duas cientistas ganham o Nobel de Química de 2020

As cientistas Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna receberam o Prêmio Nobel de Química de 2020 por desenvolverem ferramentas para editar DNA.

Duas cientistas receberam o Prêmio Nobel de Química de 2020 por desenvolverem ferramentas para editar DNA.

Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna são as duas primeiras mulheres a dividir o prêmio, concedido por seu trabalho em tecnologia de edição de genoma.

A descoberta, conhecida como tesoura genética Crispr-Cas9, é uma forma de fazer mudanças específicas e precisas no DNA contido nas células vivas.

Assim, elas dividirão o prêmio em dinheiro de U$$ 1.110.400.

Comentando sobre sua vitória, a professora Emmanuelle Charpentier, da Unidade Max Planck de Ciência de Patógenos em Berlim, disse que ficou emocionada ao saber do prêmio.

“Quando isso acontece, você fica muito surpresa e acha que não é real. Mas obviamente é real”, disse ela.

Depois dos prêmios concedidos em 2009 à australiana Elizabeth Blackburn e à americana Carol Greider, é apenas a segunda vez, desde a criação do prêmio, em 1901, que duas mulheres são homenageadas simultaneamente na mesma disciplina.

 

Nobel de química de 2020
Imagem: reprodução / getty images

Nobel de Química de 2020

Ao ser uma das duas primeiras mulheres a dividir o prêmio, a professora Charpentier disse: “Desejo que isso transmita uma mensagem positiva especificamente para as meninas que desejam seguir o caminho da ciência… e para mostrar a elas que as mulheres na ciência também podem ter um impacto nas pesquisas que estão realizando”.

Ela continuou: “Isso não é só para as mulheres, mas vemos uma clara falta de interesse em seguir um caminho científico, o que é muito preocupante”.

Comentando sobre a descoberta, a química biológica Pernilla Wittung-Stafshede disse: “A capacidade de cortar o DNA onde quiser revolucionou as ciências da vida”.

 

Tesoura genética

Durante os estudos da professora Charpentier sobre a bactéria Streptococcus pyogenes, ela descobriu uma molécula até então desconhecida chamada tracrRNA. Seu trabalho mostrou que o tracrRNA faz parte do sistema de defesa imunológica do organismo.

Esse sistema, conhecido como CRISPR-Cas, desarma os vírus ao quebrar seu DNA – como uma tesoura genética.

Em 2011, mesmo ano em que publicou este trabalho, Charpentier iniciou uma colaboração com a professora Doudna, da Universidade da Califórnia, Berkeley, para recriar a tesoura genética da bactéria em um tubo de ensaio. Eles também trabalharam na simplificação dos componentes moleculares da tesoura para que fossem mais fáceis de usar.

Em sua forma natural, a tesoura bacteriana reconhece o DNA dos vírus. Mas Charpentier e Doudna mostraram que eles poderiam ser reprogramados para cortar qualquer molécula de DNA em um local predeterminado. Cortar o DNA permite então que o código da vida seja reescrito.

Fonte BBC
Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.