Duas cientistas ganham o Nobel de Química de 2020

As cientistas Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna receberam o Prêmio Nobel de Química de 2020 por desenvolverem ferramentas para editar DNA.

Duas cientistas receberam o Prêmio Nobel de Química de 2020 por desenvolverem ferramentas para editar DNA.

Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna são as duas primeiras mulheres a dividir o prêmio, concedido por seu trabalho em tecnologia de edição de genoma.

A descoberta, conhecida como tesoura genética Crispr-Cas9, é uma forma de fazer mudanças específicas e precisas no DNA contido nas células vivas.

Assim, elas dividirão o prêmio em dinheiro de U$$ 1.110.400.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Comentando sobre sua vitória, a professora Emmanuelle Charpentier, da Unidade Max Planck de Ciência de Patógenos em Berlim, disse que ficou emocionada ao saber do prêmio.

“Quando isso acontece, você fica muito surpresa e acha que não é real. Mas obviamente é real”, disse ela.

Depois dos prêmios concedidos em 2009 à australiana Elizabeth Blackburn e à americana Carol Greider, é apenas a segunda vez, desde a criação do prêmio, em 1901, que duas mulheres são homenageadas simultaneamente na mesma disciplina.

 

Nobel de Química de 2020
Imagem: Reprodução / Getty Images

Nobel de Química de 2020

Ao ser uma das duas primeiras mulheres a dividir o prêmio, a professora Charpentier disse: “Desejo que isso transmita uma mensagem positiva especificamente para as meninas que desejam seguir o caminho da ciência… e para mostrar a elas que as mulheres na ciência também podem ter um impacto nas pesquisas que estão realizando”.

Ela continuou: “Isso não é só para as mulheres, mas vemos uma clara falta de interesse em seguir um caminho científico, o que é muito preocupante”.

Comentando sobre a descoberta, a química biológica Pernilla Wittung-Stafshede disse: “A capacidade de cortar o DNA onde quiser revolucionou as ciências da vida”.

 

Tesoura genética

Durante os estudos da professora Charpentier sobre a bactéria Streptococcus pyogenes, ela descobriu uma molécula até então desconhecida chamada tracrRNA. Seu trabalho mostrou que o tracrRNA faz parte do sistema de defesa imunológica do organismo.

Esse sistema, conhecido como CRISPR-Cas, desarma os vírus ao quebrar seu DNA – como uma tesoura genética.

Em 2011, mesmo ano em que publicou este trabalho, Charpentier iniciou uma colaboração com a professora Doudna, da Universidade da Califórnia, Berkeley, para recriar a tesoura genética da bactéria em um tubo de ensaio. Eles também trabalharam na simplificação dos componentes moleculares da tesoura para que fossem mais fáceis de usar.

Em sua forma natural, a tesoura bacteriana reconhece o DNA dos vírus. Mas Charpentier e Doudna mostraram que eles poderiam ser reprogramados para cortar qualquer molécula de DNA em um local predeterminado. Cortar o DNA permite então que o código da vida seja reescrito.

Fonte BBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes