Eleições na Bolívia: boca de urna dá vitória a Luis Arce

Após um ano da fraude nas últimas eleições bolivianas, Luis Arce, apoiado pelo ex-presidente, Evo Morales, tem vitória estimada segundo pesquisas de boca de urna após a votação que aconteceu no último domingo (18) no país.

Após serem anuladas por suspeita de fraude, as eleições na Bolívia aconteceram no último domingo (18). E as pesquisas de boca de urna do Instituto Ciesmori, divulgada pela emissora Unitel, deu a vitória a Luis Arce, do partido Movimento para o Socialismo (MAS), com 52,4% dos votos. Arce tem como apoiador o ex-presidente, Evo Morales.

Carlos Mesa, adversário de Arce pela coligação Comunidad Ciudadana (CC), que estava nas projeções das eleições na Bolívia com 31,5%, assumiu a derrota, juntamente com a presidente interina do país, Jeanine Añez, que assumiu o comando do país na ocasião da crise política acometida ano passado.

Em terceiro lugar, vinha Luis Fernando Camacho, conhecido como “Bolsonaro Boliviano” e um dos líderes da revolta durante as eleições na Bolívia contra Morales ano passado, com 14%.

Pronunciamento após votação

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A notícia foi divulgada no país após a meia-noite desta segunda (19), em meio a incertezas e tensões após um dia de votação que transcorreu com tranquilidade.  “Recuperamos a democracia e a esperança”, disse Arce. “Vamos construir um processo de mudança aprendendo com nossos erros”, finalizou.

Fraudes nas eleições da Bolívia

A votação que aconteceu há um ano foi recheada de incidentes. Os problemas começaram na própria noite de eleições quando o STE (Supremo Tribunal Eleitoral) suspendeu a contagem de votos quase no final, com 83% apurados. As projeções mostravam que haveria um segundo turno entre Evo Morales e Carlos Mesa. No dia seguinte, com a apuração retomada em 95%, novamente os indícios davam que Morales continuaria o mandato.

A pausa do processo de contabilização dos votos e a retomada rápida e desigual, favorecendo Morales, despertou suspeitas da oposição. As dúvidas referentes ao processo levaram os bolivianos às ruas e a OEA (Organização dos Estados Americanos) e a União Européia pediram que fosse realizado um segundo turno. Contudo, Evo Morales, insistiu em sua vitória e em sua inocência, instigando seus apoiadores que defendessem a democracia

Oposição e apoiadores do até então presidente se enfrentaram nas ruas e os confrontos deixaram centenas de mortos e feridos. Em pouco tempo, Morales se declarou vencedor, denunciou um golpe de Estado, perdeu apoio das Forças Armadas e acabou renunciando ao cargo.

Ex-presidente segue exilado

O ex-presidente, Evo Morales, segue exilado na Argentina e suspeito de comandar a fraude no pleito de 2019, mas pretende voltar ao seu país de origem.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes