Comissão Europeia apresenta estratégia sobre direitos LGBT+

A Comissão Europeia apresentou um plano de cinco anos para enfrentar os desafios enfrentados pela comunidade LGBTQI. O executivo da UE há muito está em desacordo com os governos de direita no bloco sobre os direitos LGBT+.

A Comissão Europeia revelou na quinta-feira (12) a sua estratégia sobre direitos LGBT+. A estratégia destina-se a melhorar os direitos dessa comunidade nos países pertencentes à União Europeia.

Assim, o plano de cinco anos inclui apoio legislativo e financeiro para pessoas LGBT+. Além disso, o objetivo é adicionar crimes de ódio contra a comunidade à lista de crimes da UE. Bem como instituir medidas para apoiar os direitos das famílias de pais do mesmo sexo.

“Todos devem se sentir livres para ser quem são – sem medo ou perseguição. É disso que se trata a Europa e é isso que defendemos”, disse Vera Jourova, vice-presidente para Valores e Transparência da comissão, em um comunicado.

Dessa forma, a comissão reconheceu que houve algum progresso em relação aos direitos LGBT+. Mas uma pesquisa sobre os direitos fundamentais europeus de 2019 descobriu que 43% das pessoas ainda se sentem discriminadas com base em suas orientações sexuais ou identidades de gênero.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A comissão disse que a discriminação contra a comunidade piorou durante a pandemia do coronavírus.

 

estratégia sobre direitos LGBT+
Imagem: Reprodução / Pixabay

UE elabora estratégia sobre direitos LGBT+

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, mencionou a estratégia LGBT+ em seu discurso sobre o Estado da União Europeia em setembro. 

O poder executivo da UE há muito tempo está em desacordo com os Estados-Membros governados por partidos de direita. Na Polônia, o partido Lei e Justiça concorreu com uma plataforma homofóbica, e o presidente Andrzej Duda disse que a comunidade ameaça os valores católicos romanos do país.

Além disso, Von der Leyen manifestou-se em apoio aos direitos dos pais para famílias do mesmo sexo e descreveu as chamadas “zonas livres de LGBT” estabelecidas na Polônia como “zonas livres de humanidade”.

Na quinta-feira, o governo de direita da Hungria esboçou uma legislação para proibir parcialmente a adoção por casais do mesmo sexo. O governo do primeiro-ministro Viktor Orban também propôs uma emenda constitucional que exigiria que as crianças fossem criadas com base no que seu governo descreveu como uma interpretação cristã dos papéis de gênero.

Informar Erro
Fonte DW

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes