EUA não fará parte da aliança para vacina contra o coronavírus liderada pela OMS

O governo Trump disse que os Estados Unidos não farão parte da aliança COVAX liderada pela OMS, que visa desenvolver e distribuir em massa qualquer vacina potencial contra o coronavírus.

Os EUA não se juntarão a uma aliança para vacina contra o coronavírus com liderança da Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa aliança é um esforço internacional para desenvolver e distribuir uma vacinação contra o coronavírus.

De acordo com as autoridades americanas, os EUA não querem sofrer restrições por grupos multilaterais como a OMS. 

“Os EUA continuarão a se envolver em parcerias internacionais para garantir a derrota desse vírus. Mas, não seremos limitados por organizações multilaterais influenciadas pela corrupta OMS e pela China”, afirmou o porta-voz da Casa Branca Judd Deere.

De acordo com o porta-voz, “O presidente não poupará despesas para garantir que qualquer nova vacina mantenha o padrão ouro de nossa própria Food and Drug Administration”.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

aliança para vacina
Imagem: Reprodução / Gustavo Fring

Aliança para vacina contra o coronavírus

Enquanto alguns países fecham acordos bilaterais para garantir o fornecimento de potenciais vacinas, um grande esforço cooperativo se iniciou com mais de 150 países sob a liderança da OMS. Além disso, a aliança contará com o apoio da Coalizão para Inovações de Preparação para Epidemias e da Gavi (também outra aliança para vacina).

O Covid-19 Vaccines Global Access Facility, ou COVAX, recebeu o apoio de aliados tradicionais dos EUA, incluindo Japão, União Europeia e Alemanha. 

A iniciativa permitirá que os membros tenham acesso a uma variedade de vacinas em potencial, de modo que maior  parte do mundo possa recebe-la.

 

Abordagem míope da pandemia

Os críticos expressaram preocupação com a decisão dos EUA de se afastar da aliança para vacina, chamando-a de “visão curta” em face de uma pandemia global.

“Associar-se à COVAX é uma medida simples para garantir o acesso dos EUA a uma vacina – não importa quem a desenvolva primeiro”, tuitou a representante americana Ami Bera, do estado da Califórnia, que também é médica. 

De acordo com Bera, “essa abordagem autônoma deixa a América em risco de não receber uma vacina”.

A outra grande possibilidade é que os Estados Unidos desenvolvam sua vacina, mas a acumulem para vacinar os cidadãos. 

Contudo, isso deixaria o país vulnerável a casos importados do vírus e afetaria fortemente a economia dos EUA se a economia global não se recuperar.

Informar Erro
Fonte DW

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes