Facebook vai proibir anúncios antivacina na plataforma

Facebook vai proibir anúncios que desencorajam as pessoas a serem vacinadas, disseram seus representantes.

Uma nova política global fará o Facebook proibir anúncios antivacina. Além disso, a empresa também declarou na terça-feira (13) que “não quer esses anúncios” na plataforma.

“Já não permitimos anúncios com boatos de vacinas que tenham sido identificados publicamente pelas principais organizações globais de saúde. Como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos”, disseram funcionários do Facebook em um declaração online.

“Agora, se um anúncio desencorajar explicitamente alguém de tomar uma vacina, nós o rejeitaremos”, acrescentaram. Além disso, também observaram que o Facebook começará a aplicar essa política “nos próximos dias”.

No entanto, a rede disse que ainda vai permitir publicação de material de campanha de defesa a favor ou contra de alguma legislação governamental que envolva vacinas.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

anúncios antivacina
Imagem: Reprodução / Pixabay

Proibição de anúncios antivacina

As últimas mudanças na política ocorrem na medida em que várias teorias da conspiração sobre a pandemia se espalham pelas redes sociais, alimentando protestos. 

Em abril, o Facebook disse que usaria novas táticas para reagir, incluindo informar aos usuários que reagiram ou comentaram uma postagem com informações errôneas prejudiciais sobre o coronavírus.

Além disso, também informaram que a plataforma encaminhará esses usuários às informações fornecidas pela OMS. Anteriormente, a empresa lançou um centro de informações do covid-19 dedicado para pessoas que desejavam obter informações mais confiáveis ​​sobre a pandemia.

 

Ajudando a OMS e a Unicef 

Além de rejeitar os anúncios antivacinação, a empresa também estaria ajudando com uma campanha de educação sobre vacinas.

Dessa forma “isso inclui trabalhar com organizações como a OMS e UNICEF em campanhas de mensagens de saúde pública. Aumentando assim as taxas de imunização”, disseram eles. 

“Estamos trabalhando com a Rede de Segurança de Vacinas da OMS para treinar e apoiar sua rede de parceiros de vacinas para utilizar o Facebook para alcançar o maior número possível de pessoas com mensagens de saúde pública”.

Informar Erro
Fonte DW

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes