Golpe em Mianmar: o que está acontecendo e por quê?

Mianmar chegou às manchetes em todo o mundo em 1º de fevereiro, quando seus militares assumiram o controle.

Mianmar chegou às manchetes em todo o mundo em 1º de fevereiro, quando seus militares assumiram o controle. A líder do país, Aung San Suu Kyi, e membros de seu partido foram detidos. Mas afinal, onde fica o pais e o que está acontecendo?

Golpe em Mianmar – o que aconteceu?

Na última segunda- feira (1°) o país asiático sofreu um novo golpe militar de estado. Os militares tomaram o parlamento, derrubaram o governo eleito, prenderam líderes políticos, fecharam o acesso à internet e suspenderam os voos em Mianmar. O país estava vivendo em uma democracia, que foi restabelecida em 2011, depois de quase 50 anos de regime militar, com guerras civis. Contudo, na segunda, com o novo golpe, outra ditadura foi instituída em Mianmar.

O poder foi entregue ao comandante-chefe Min Aung Hlaing.

Leia também

Dalai Lama é vacinado contra COVID-19 com dose de Oxford

Papa Francisco se torna o 1° chefe católico a visitar o…

Há muito tempo ele exerce influência política significativa, mantendo com sucesso o poder do Tatmadaw – o exército de Mianmar – mesmo enquanto o país fazia a transição para a democracia.

Professora de dança viraliza

Uma professora de dança estava gravando um vídeo e ao fundo pode-se notar o cenário que levaria ao golpe. A mulher, identificada como Khing Hnin Wai, não sabia o que estava acontecendo até publicar o vídeo em seu Facebook. A postagem viralizou, pois as pessoas começaram a perceber o que estava acontecendo no cenário por trás de sua coreografia. Nas redes sociais, a professora explicou que não tinha noção do que ocorria no momento. “Eu não estava dançando para zombar ou ridicularizar qualquer organização, ou para fazer palhaçada. Eu estava dançando para uma competição de dança aeróbica”, escreveu. “E não é incomum vermos um comboio de veículos oficiais em . Eu achei que era normal, e por isso continuei.”, completou.

Confira o vídeo do momento. As imagens são da BBC News.

- PUBLICIDADE -

O país – Golpe em Mianmar

O país do sudeste asiático se chamava Burma, mas os militares trocaram o nome para Mianmar em 1989, também pode ser chamado de Birmânia. Além disso, também mudaram a capital de Rangun para o nome de Yangon. Contudo, em 2006, a capital passou a ser a cidade de Nay Pyi Taw.  Economicamente falando, Mianmar é um país pobre, o mais desfavorecido do Sudeste asiático. A economia baseada na agricultura, cerca de 70% da população trabalha na área rural. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de país é de 0,451, considerado baixo.

Pela estimativa oficial de 2018 o país teria 53.985.000 habitantes. A maioria da população pratica o budismo como religião, mas outras religiões como islamismo, cristianismo ou crenças tradicionais também são praticadas. Em sua maior parte, as pessoas que vivem em Mianmar são birmaneses, chans , karens e raquines, Mas existem alguns chineses ou indianos que imigram para o local.

onde fica Mianmar

Mianmar está localizado no Sul da Ásia e divide limites com Bangladesh, Índia, China, Laos e Tailândia. É banhado pelo oceano Índico a oeste. Embora o clima seja tropical, o revelo de Mianmar é, em sua maior parte, montanhoso. Quase metade de seu território é coberto com florestas tropicais e úmidas, parecidas com a Amazônia no Brasil.

mianmar
Foto: Adrian Granzella Larssen

O que é Burma?

Burma é o antigo nome do país, que foi rebatizado de Mianmar em 1989. Alguns países, como Estados Unidos ou Canadá se referem ao local por seu primeiro nome. A palavra Burma é derivada do termo birmanês “bamar”, pode ser uma forma coloquial de se referir a Mianmar ou Birmânia.

Qual a língua falada na Birmânia ou Mianmar?

O idioma oficial do país é o birmanês, mas existem outros grupos menores que têm suas línguas e dialetos próprios. Além disso, em Mianmar o inglês costuma ser falado e entendido pela população nos locais turísticos.

 

Política – Golpe em Mianmar

O país asiático vive uma gangorra politica há muito tempo, com altos e baixos. Mianmar teve sua independência negociada em 1948. Contudo, sofreu um golpe em 1962, que perdurou até 2011, quando teve sua democracia reestabelecida, após muitas revoltas e guerras civis. Apesar disto, no dia 1° de fevereiro de 2021, o país sofreu outro golpe militar e entrou em uma nova ditadura.

Grammy Latino 2020: veja lista de brasileiros vencedores

Turismo no país

mianmar
Foto: Reprodução/Melhores Destinos

Embora, o país não conte com muita infraestrutura, é destino turístico procurado por muitos turistas ocidentais que querem ter experiências distintas. Mas vale lembrar que o roteiro não é simples, desde a chegada em Mianmar até a estadia no local.

Entenda porque Índia voltou atrás na venda de vacinas ao Brasil

Na antiga capital, Yangon, fica localizada a monumentalidade do pagode Shwedagonpaya, o símbolo nacional e maior tributo à fé dominante, o budismo. Além do caráter espiritual, o monumento tem uma beleza única. Perto de Yangon está o Monte Kyaiktiyo, que é a casa de uma das mais famosas e reverenciadas relíquias budistas na nação: a Golden Rock. Vale a pena conhecer.

Também é indispensável visitar Bagan, um mar de templos com uma paisagem montanhosa ao fundo. Para quem gosta de fazer trilhas e caminhadas, a pedida é ir à Kalaw para conhecer o cenário de montanhas do local. Contudo, é preciso autorização para fazer as caminhadas. Quem quiser mais contato com a natureza e curtir uma praia, a ideia é ir para Ngwe Saung e ver as areias douradas. No local também é possível se hospedar em resorts e provar frutos do mar sul asiáticos.

Como chegar?

Não existem voos diretos entre Brasil e Mianmar, a melhor forma de chegar ao país, é passando pela China ou Tailândia. De um desses lugares, é possível pegar outro voo e descer em Yangon. Também existem caminhos por terra, nas fronteiras da China e Tailândia. Contudo, não são recomendados por serem burocráticos e arriscados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes