Congresso peruano vota pelo impeachment do presidente Martín Vizcarra

O Congresso do Peru votou pelo impeachment do presidente Martin Vizcarra devido a alegações de suborno.

O Congresso do Peru votou pelo impeachment do presidente Martin Vizcarra. As alegações foram de que ele entregou contratos com o governo em troca de subornos.

Vizcarra disse que aceitaria a votação, não iniciaria qualquer ação legal e deixaria o palácio presidencial.

Assim, espera-se que Manuel Merino, o presidente do Congresso, assuma a presidência até julho de 2021 – quando o mandato de Vizcarra terminaria.

Essa é a segunda tentativa nos últimos dois meses de destituir o presidente.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Vizcarra negou anteriormente as acusações de que ele aceitou subornos no valor de 2,3 milhões de soles ($ 640.000) quando ele era governador da região sul de Moquegua.

Antes da votação, ele também alertou que qualquer impeachment poderia lançar o país em turbulência, uma vez que este enfrenta uma severa recessão econômica provocada pela pandemia do coronavírus.

Mas na segunda-feira (09), 105 legisladores votaram a favor da moção – 19 votaram contra e outros quatro se abstiveram.

Além disso, vários legisladores simpatizantes de Vizcarra se manifestaram contra a decisão.

“Este é um golpe disfarçado. Precisamos de calma, mas também de muita vigilância do cidadão”, disse George Forsyth, um ex-prefeito que disputará a corrida presidencial do próximo ano.

 

impeachment do presidente Martín Vizcarra
Imagem: Reprodução / Getty Images

Impeachment do presidente Martín Vizcarra

O processo de impeachment, há dois meses, centrou-se nas alegações de que Vizcarra fez mau uso de fundos públicos, o que ele negou.

Vizcarra se tornou presidente em março de 2018, depois que seu antecessor no cargo, Pedro Pablo Kuczynski, renunciou em meio a alegações de compra de votos.

Ele está envolvido em uma batalha acirrada com o Congresso, dominado por partidos rivais, desde que assumiu o cargo.

No ano passado, o presidente dissolveu o Congresso, argumentando que os legisladores estavam obstruindo sua agenda anticorrupção.

Um novo Congresso foi eleito em janeiro, mas a tensão continua alta entre o legislativo e o executivo, com Vizcarra acusando legisladores de promover “caos e desordem”.

As eleições presidenciais estão marcadas para abril de 2021 e Vizcarra está proibido pela constituição de concorrer a um segundo mandato.

Fonte BBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes