Nova mutação da covid-19 é encontrada em pacientes no Reino Unido

Uma nova mutação da covid-19 apareceu em mais de mil pacientes infectados no Reino Unido. A mutação pode ser a responsável por uma disseminação mais rápida do vírus.

Uma nova mutação da covid-19 apareceu em mais de mil pacientes infectados no Reino Unido.

Além disso, a mutação pode ser a responsável por uma disseminação mais rápida do vírus.

O secretário de saúde, Matt Hancock, revelou a nova variante e disse que ela estava por trás de “aumentos exponenciais muito acentuados” em casos em Londres e condados vizinhos de Kent e Essex.

“Atualmente, identificamos mais de mil casos com esta variante”, disse ele. Bem como observou que a análise inicial sugere que ela está crescendo mais rápido que as variantes existentes.

Hancock – que ordenou bloqueios mais rígidos para as áreas afetadas – disse que o Reino Unido alertou a Organização Mundial da Saúde.

Além disso,  a agência de saúde da ONU confirmou que está investigando o caso.

De acordo com os cientistas britânicos do Genomics UK Consortium, eles estão examinando a nova cepa para ver se “alguma dessas mutações está contribuindo para o aumento da transmissão”.

 

nova mutação da covid-19
Imagem: Reprodução / Pexels

Nova mutação da covid-19

A nova variante – que os cientistas do Reino Unido chamaram de “VUI – 202012/01” – inclui uma mutação genética na proteína “pico”.

“Mudanças nesta parte da proteína do pico podem fazer com que o vírus se torne mais infeccioso. Dessa forma ele se espalha mais facilmente entre as pessoas”, observou a Public Health England.

O Dr. Jeremy Farrar, diretor da instituição de caridade de saúde Wellcome, disse à BBC que pode ser sério. Contudo, Alan McNally, um especialista da Universidade de Birmingham, advertiu que as pessoas não deveriam “ficar histéricas”.

“Isso não significa que seja mais transmissível ou mais infeccioso ou perigoso. É algo para ficar de olho”, disse ele à emissora.

O chefe de emergências da OMS, Dr. Michael Ryan, disse que “mutações como essa são bastante comuns”. Além disso, ele destacou que até agora não há nada que confirme se a variante é mais mortal ou se espalha com mais facilidade.

O secretário de Saúde Hancock também insistiu que “é altamente improvável que essa nova variante afetará a vacina e o seu impacto”.

Na semana passada, o Reino Unido se tornou o primeiro país do mundo a começar a administrar a vacina covid-19.

Fonte NY Post
Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes