Papa Francisco diz que “Pagamento de impostos é um dever do cidadão”

“O pagamento de impostos é um dever do cidadão. Ao mesmo tempo, é necessário afirmar a primazia de Deus na vida e na história humana, respeitando o direito de Deus ao que lhe pertence”, disse Papa Francisco, líder da Igreja Católica.

O papa Francisco afirmou neste domingo, dia 18 de outubro,  que as pessoas não devem deixar de pagar os impostos, assim como não devem desrespeitar leis “justas” definidas pelos Estados. A declaração foi feita durante a oração do Angelus, feita desde a janela do Palácio Apostólico.

“O pagamento de impostos é um dever do cidadão. Ao mesmo tempo, é necessário afirmar a primazia de Deus na vida e na história humana, respeitando o direito de Deus ao que lhe pertence”, disse o líder da Igreja Católica.

O pontífice dirigiu-se aos fiéis que acompanhavam as suas palavras da Praça de São Pedro, comentando o Evangelho e a passagem na qual Jesus de Nazaré é perguntado pelos detratores se era lícito prestar tributo a César.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Devolvei o que é de César a César e a Deus o que é de Deus”, disse papa Francisco.

“Jesus, conhece a malícia e sai da armadilha. Pede-lhes que mostrem a moeda do imposto, ele a toma em suas mãos e pergunta: de quem é esta imagem impressa. Eles respondem que é de César, ou seja, do Imperador. Então Jesus responde: “Devolvei o que é de César a César e a Deus o que é de Deus”, disse Papa Francisco.

“Por um lado, ele reconhece que o imposto a César deve ser pago, porque a imagem na moeda é sua; mas, acima de tudo, ele lembra que cada pessoa traz dentro de si uma outra imagem, a de Deus, e por isso é a Ele, e somente a Ele, que todos estão endividados com a sua própria existência”, completou.

Após a oração do Angelus, o papa dirigiu palavras de apoio para os 18 tripulantes dos pesqueiros italianos retidos na Líbia desde 2 de setembro, por supostamente estarem sem permissão em águas territoriais do país do Norte de África.

O pontífice garantiu também que ora pelas negociações internacionais que visam pacificar o território líbio, em conflito desde a queda do ditador Muammar al-Gaddafi em 2011.

“Irmãos e irmãs, chegou a hora de acabar com todas as formas de hostilidade e promover um diálogo que leve à paz, estabilidade e unidade no país”, afirmou o papa.

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes