Presidente da França jura lutar contra o separatismo islâmico

O presidente francês Emmanuel Macron anunciou planos de leis mais duras para enfrentar o que ele chamou de “separatismo islâmico”. Medidas causaram polêmica entre população muçulmana no país.

O presidente francês Emmanuel Macron anunciou planos de leis mais duras para enfrentar o que ele chamou de “separatismo islâmico” e defender os valores seculares do seu país.

Em um discurso muito aguardado, Macron disse que uma minoria dos cerca de seis milhões de muçulmanos na França corria o risco de formar uma “contra sociedade”.

Suas propostas incluem supervisão mais rígida da escolaridade e controle sobre o financiamento estrangeiro das mesquitas.

Macron estava sob pressão para enfrentar o islamismo radical em meio a temores de segurança.

Mas seus comentários foram condenados por alguns ativistas muçulmanos que o acusaram de tentar reprimir o Islã no país.

 

Separatismo islâmico
Imagem: reprodução / pexels

Macron lutará contra separatismo islâmico

Sob os estritos princípios do secularismo, ou laïcité (laico), da França, o governo é separado por lei das instituições religiosas. Assim, a ideia é que pessoas de diferentes religiões e crenças são iguais perante a lei.

O país também tem a maior população de muçulmanos da Europa Ocidental.  Contudo, muitos reclamam que as autoridades usam o secularismo para atacá-los especificamente, por exemplo, ao banir o hijab.

Falando fora de Paris na sexta-feira (02), Macron disse que o Islã radical é um perigo para a França. Afinal, eles mantém suas próprias leis acima de todas as outras e “frequentemente resulta na criação de uma contra sociedade”.

Além disso, ele afirmou que esta forma de sectarismo traduz-se frequentemente em crianças afastadas da escola e na utilização de atividades desportivas, culturais e outras atividades comunitárias como “pretexto para ensinar princípios que não estão em conformidade com as leis da república”.

De acordo com Macron, “o Islã é uma religião que está em crise em todo o mundo hoje, não estamos vendo isso apenas em nosso país”.

 

Medidas contra o radicalismo

As medidas anunciadas pelo presidente vão formar uma legislação que vai ao parlamento antes do final do ano.

Elas incluem:

  • monitoramento mais rigoroso de organizações esportivas e outras associações para que não se tornem uma fachada para o ensino islâmico
  • melhor supervisão do financiamento de mesquitas
  • ensino doméstico restrito

Macron também disse que a França deve fazer mais para oferecer mobilidade econômica e social às comunidades de imigrantes, acrescentando que os radicais costumam preencher esse vácuo.

Fonte BBC
Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.