Primeiro-ministro libanês renuncia de seu governo após explosões

A renúncia de Hassan Diab segue a de quatro ministros em dois dias. Os manifestantes culpam a classe política pela explosão mortal que devastou Beirute em 4 de agosto.

Hassan Diab, primeiro-ministro libanês renuncia de seu governo nesta última segunda-feira (10), seis dias após as explosões de Beirute.

No sábado (8 ) ele disse estar pronto para permanecer no poder “por dois meses”. Este será o período em que as forças políticas organizarão a realização de eleições parlamentares antecipadas.

O executivo ficou enfraquecido com a saída de quatro ministros após a terrível explosão, que deixou pelo menos 160 mortos e reanimou as manifestações popular.

Em um discurso transmitido na televisão segunda à noite, Hassan Diab afirmou:  “Hoje, estamos respondendo à vontade do povo que exigem a responsabilidade por esse desastre e ao seu desejo de uma mudança real”. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Logo depois,  o ex-primeiro-ministro libânes renuncia dizendo: “Diante dessa realidade, anuncio hoje a renúncia deste governo”.

De acordo com ele, a tragédia que ocorreu na capital libanesa há menos de uma semana é o resultado da “corrupção endêmica”. Hassan Diab lamentou o acontecimento durante seu discurso. Além disso, ele afirmou que estava ao lado de quem exigia que os responsáveis ​​por este “crime” sejam levados à justiça. 

Segundo ex-primeiro-ministro, “O sistema de corrupção se espalhou dentro do estado. Percebi que esse sistema é maior do que o estado que, de mãos atadas, não conseguiu combatê-lo”.

O presidente libanês Michel Aoun aceitou a renúncia e instruiu a Diab a lidar com os assuntos atuais até que um novo gabinete fosse formado.

 

protestos no Líbano após explosões
Imagem: Reprodução

Primeiro-ministro libanês renuncia após manifestações

No entanto, a renúncia do governo não deve satisfazer as manifestações populares no Líbano, que exigem a saída de toda a classe política acusada por meses de corrupção e incompetência. “Tudo significa tudo” , proclamaram nos últimos dois dias os manifestantes, pedindo a saída de todos os líderes, incluindo Michel Aoun e o líder do Hezbollah Hassan Nasrallah.

Contudo, a devastação causada pela explosão é uma catástrofe a mais para os libaneses. O país está mergulhado há vários meses em uma crise econômica muito séria, marcada por uma depreciação sem precedentes de sua moeda (a libra libanesa), hiperinflação, demissões em massa e restrições bancárias drásticas.

No sábado, milhares de manifestantes marcharam pelo centro de Beirute. Além disso, novos confrontos eclodiram na noite de domingo no centro da capital entre a polícia e um grupo de manifestantes. 

Em uma avenida que leva ao Parlamento, os manifestantes atiraram pedras e dispararam fogos de artifício contra a polícia, que respondeu com gás lacrimogêneo na tentativa de dispersá-los.

Informar Erro
Fonte Le Monde

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes