Professor é decapitado em Paris em “ataque terrorista”

Um suspeito foi morto a tiros após um assassinato brutal nos arredores de Paris. A vítima era um professor que, segundo notícias, recentemente mostrou caricaturas de Maomé em sala de aula.

Professor é decapitado em Paris em um suposto ataque terrorista

O professor de história foi encontrado em uma rua de um subúrbio de Paris. O suspeito agressor foi morto pela polícia.

O presidente francês Emmanuel Macron denunciou o que chamou de “ataque terrorista islâmico” e exortou a nação a permanecer unida contra o extremismo.

De acordo com as autoridades, o professor havia discutido caricaturas do profeta Maomé com sua classe.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Assim, o promotor francês antiterrorismo abriu uma investigação por assassinato com suspeita de motivo terrorista. 

Quatro pessoas, uma delas menor, foram presas horas depois, disse o escritório do promotor antiterror Jean-François Ricard, sem dar mais detalhes.

A polícia normalmente se espalha para encontrar familiares e amigos de suspeitos em potencial em casos de terrorismo.

 

Professor é decapitado em Paris
Imagem: Reprodução /Unsplash

Professor é decapitado em Paris

Macron visitou a escola onde o professor trabalhava e se reuniu com a equipe após o assassinato. 

“Um de nossos compatriotas foi assassinado hoje porque ensinava … a liberdade de expressão, a liberdade de acreditar ou não acreditar”, disse Macron.

Ele disse que o ataque não deveria dividir a França, porque é isso que os extremistas querem.  Dessa forma, “devemos estar todos juntos como cidadãos”, disse ele.

O incidente ocorreu enquanto o governo de Macron trabalha em um projeto de lei para lidar com radicais islâmicos que as autoridades afirmam estar criando uma sociedade paralela fora dos valores da República Francesa. 

A França tem a maior população muçulmana da Europa Ocidental, com até 5 milhões de membros, e o Islã é a segunda religião do país.

 

Ameaça de terrorismo

Um policial disse que o suspeito, armado com uma faca e uma arma de airsoft foi morto a cerca de 600 metros de onde o professor foi morto. Ele não atendeu às ordens de abaixar os braços e agiu de maneira ameaçadora.

De acordo com o policial, o professor havia recebido ameaças após abrir uma discussão “para um debate” sobre as caricaturas há cerca de 10 dias. Além disso, o pai de um aluno apresentou queixa contra o professor, disse outro policial, acrescentando que o suposto assassino não tinha filhos na escola.

Informar Erro
Fonte ABC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes