Sinal de rádio misterioso é detectado de dentro da Via Láctea

Embora a explosão do rádio tenha durado apenas milissegundos, a emissão continha mais energia que a produzida pelo sol o dia todo.

Os cientistas detectaram um sinal de rádio misterioso e poderoso originado na Via Láctea.

Estouros de rádio rápidos (FRBs) são um fenômeno intrigante detectado pela primeira vez em 2007. Contudo, as observações anteriores nunca os identificaram de dentro da nossa própria galáxia.

Eles são breves, mas incrivelmente poderosos. Bem como emitem muito mais energia em um único milissegundo do que o sol o dia todo.

Três artigos de pesquisa publicados na revista Nature, com base em observações feitas em todo o mundo – no Canadá, Estados Unidos, China e até mesmo do espaço – potencialmente descobriram a fonte.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

No início deste ano, dois telescópios espaciais captaram uma poderosa radiação de raios X e gama. A radiação se originava de um corpo cósmico do outro lado da galáxia.

Assim, quando os astrônomos treinaram telescópios na Terra para observar aquela região no dia seguinte, eles avistaram a explosão de rádio extremamente poderosa e rápida, que chamaram de FRB 200428.

Além disso, o que eles viram foi surpreendente. Foi descrito como “a explosão de rádio mais luminosa já detectada em nossa galáxia” pela Dra. Daniele Michilli, uma astrofísica da Universidade McGill.

 

sinal de rádio misterioso
Imagem: Reprodução / Pexels

Sinal de rádio misterioso

Os astrônomos não sabem realmente o que causa os FRBs. Mas o novo sinal detectado de dentro da nossa própria galáxia oferece algumas informações vitais que podem ajudar a resolver o mistério.

Como essa FRB veio da nossa Via Láctea, os astrônomos foram capazes de rastreá-la até sua provável fonte. Que é um tipo de estrela de nêutrons que tem um forte campo magnético chamado magnetar.

Este corpo cósmico é o remanescente de uma estrela que há muito tempo entrou em colapso em uma explosão de supernova. Que é cerca de 30.000 anos-luz de distância da Terra.

Os magnetares, como outras estrelas de nêutrons, são incrivelmente densos. Apesar de seu diâmetro de potencialmente apenas 20 km de diâmetro, eles têm uma massa de cerca de 140% da do Sol.

De acordo com o professor Masui, que liderou um dos projetos de pesquisa do FRB, “esta é a primeira vez que conseguimos ligar uma dessas explosões de rádio exóticas rápidas a um único objeto astrofísico”.

No entanto, mesmo que a teoria dos astrônomos esteja certa, no FRB originado de um magnetar ainda não está claro como as estrelas de nêutrons altamente magnetizadas poderiam produzir as explosões de energia e gama de emissões eletromagnéticas ao mesmo tempo.

Informar Erro
Fonte Sky News

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes