OMS alerta sobre a terceira onda de covid-19 na Europa

O enviado especial da Organização Mundial da Saúde (OMS) criticou a resposta da Europa à pandemia do coronavírus, alertando que em janeiro os países entrarão em uma terceira onda de covid-19 ainda mais mortal.

Uma terceira onda de covid-19 poderá atingir a Europa no início de 2021, de acordo com David Nabarro, enviado especial da Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, segundo ele, essa terceira onda será mortal.

“Eles perderam a construção da infraestrutura necessária durante os meses de verão, depois que colocaram a primeira onda sob controle”, disse Nabarro. “Agora temos a segunda onda. Se eles não construírem a infraestrutura necessária, teremos uma terceira onda no início do próximo ano”.

De acordo com Nabarro, a Europa tem muito a aprender com os países asiáticos. “É preciso reagir rapidamente ao vírus, de forma robusta e decisiva”.

“Especialmente no início, quando o vírus ainda está se espalhando muito lentamente em diferentes comunidades. Se você reagir com indiferença, o problema aumentará muito rapidamente”, acrescentou.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A Europa desfrutou brevemente de uma queda nas taxas de infecção durante o verão,  mas agora há um novo aumento.

 

terceira onda de covid-19
Imagem: Reprodução / Pixabay

Terceira onda de covid-19 na Europa

Um grande problema, acrescentou Nabarro, era que muito poucos tomadores de decisões políticas entenderam que o vírus estava se espalhando exponencialmente, em vez de aritmeticamente.

“Exponencial significa que os números podem aumentar 8 vezes em uma semana, 40 vezes em duas semanas, 300 vezes em três semanas. E,  mais de 1.000 vezes em quatro semanas e assim por diante” disse ele.

Enquanto isso, na Ásia, os números são relativamente baixos porque “as pessoas estão totalmente engajadas, assumem comportamentos que dificultam o vírus”.

“Eles mantêm distância, usam máscaras, isolam-se quando estão doentes, lavam as mãos e superfícies. Eles protegem os grupos de risco”.

Nabarro também disse que a Ásia não relaxou as restrições prematuramente. “Você deve esperar até que o número de casos esteja baixo e permanecer baixo”, disse ele. “A reação da Europa foi incompleta”.

Ele também elogiou a comunicação entre autoridades da Ásia e da Europa. “Eles têm apenas uma mensagem: se quisermos que nossa economia seja forte e manter nossas liberdades, todos temos que nos ater a algumas coisas básicas”.

Informar Erro
Fonte DW

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes