TikTok banido: depois de Índia e Japão, EUA também querem proibir app chinês

O presidente Donald Trump disse que estuda a possibilidade de vetar o uso da rede social no país em nome da segurança nacional.

Nesta quarta-feira (29), o presidente americano Donald Trump informou que o TikTok pode ser banido do país. O governo estuda a possibilidade por considerar que há chances do app acabar sendo usado pela China como ferramenta de espionagem.

O TikTok se tornou um dos aplicativos mais famosos de 2020 e virou febre entre jovens de 15 a 29 anos. Além disso, influenciadores digitais utilizam amplamente a plataforma. Estima-se que o app tenha cerca de um bilhão de usuários em todo o mundo atualmente.

A proibição do aplicativo chinês seria uma resposta ao receio do governo americano de que o Partido Comunista Chinês possa se apropriar de informações dos usuários para tramar contra o país.

De acordo com o jornal Daily Mail, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, afirmou que o futuro do aplicativo chinês nos Estados Unidos está sendo avaliado pelo Comitê de Investimentos Estrangeiros. O órgão é responsável por checar riscos à segurança nacional em acordos internacionais.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Esse movimento ocorreu depois que os funcionários da campanha do candidato à presidência Joe Biden foram proibidos de usar o TikTok. A justificativa assinalou preocupações com questões de segurança e privacidade.

Como resultado, o TikTok pode ser banido parcial ou totalmente dos Estados Unidos – que contabiliza cerca de 80 milhões de usuários do app por mês. O governo também pressiona a ByteDance, que controla o aplicativo chinês, para a liberação da rede social para que passe a operar como uma companhia americana.

Alguns investidores da empresa avaliam que uma possível oferta pública do TikTok poderia chegar a US$ 50 bilhões.

 

TikTok foi banido também em outros países

TikTok banido de vários países
Foto: Reprodução

Não são só os Estados Unidos que querem proibir o uso do aplicativo. Na Índia, por exemplo, o TikTok foi banido completamente, assim como outros 100 apps chineses. A ação foi resultado de tensões que ameaçam as fronteiras entre os dois países.

A Austrália também solicitou recentemente a proibição da redes social, alegando razões de segurança nacional. No Reino Unido, a empresa desistiu dos planos de construir uma sede global que resultaria em 3 mil postos de empregos. Enquanto isso, no Japão, um grupo de legisladores do Partido Liberal Democrata quer vetar tanto o TikTok quanto outros aplicativos chineses.

 

A resposta do TikTok

 

De acordo com o Daily Mail, a empresa que controla o aplicativo chinês não tem ligação comprovada com o governo do país. Ainda assim, o fundador da ByteDance, Zhang Yiming, já apoiou publicamente “valores socialistas”. Além disso, críticos dos EUA alertam para o fato de que a empresa não pode se recusar, legalmente, a entregar dados ao governo se forem solicitados.

Por outro lado, o TikTok argumenta que não opera na China e que, por isso, suas informações não estão sujeitas à lei chinesa.

O CEO do TikTok, Kevin Mayer, afirmou que a companhia não aceita publicidade política e, tampouco, tem uma agenda. “Nosso único objetivo é permanecer uma plataforma dinâmica e vibrante para que todos possam desfrutar”, disse.

Mayer também anunciou que o aplicativo chinês segue uma política de transparência e que deve divulgar mais sobre seus algoritmos internos.

Informar Erro
Através da Daily Mail

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes