UE e China aprovam importante acordo de investimento

Líderes da UE e da China aprovaram provisoriamente um pacto de investimento que Bruxelas espera que abra oportunidades lucrativas.

UE e China aprovam importante acordo de investimento.

A União Europeia fechou na quarta-feira (30) um acordo de investimento de bilhões de euros com a China em meio a críticas sobre o histórico de direitos humanos do país.

Altos funcionários e líderes da UE,  como a chanceler alemã Angela Merkel e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, participaram de uma teleconferência com o presidente chinês Xi Jinping para anunciar o pacto.

De acordo com Von der Leyen, “a UE tem o maior mercado único do mundo. Estamos abertos para negócios. Mas estamos apegados à reciprocidade, igualdade de condições e valores”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O termo comercial “igualdade de condições” descreve as regras criadas para evitar a concorrência desleal.

Xi disse que a UE oferecerá mercados maiores e um melhor ambiente de negócios para investimentos chineses e europeus, de acordo com declarações publicadas pela agência de notícias oficial Xinhua.

 

UE e China aprovam importante acordo
Imagem: Reprodução / Getty Images

UE e China aprovam importante acordo 

Assim, o acordo mostra a determinação e confiança da China em se abrir, disse Xi. Bem como acrescentou que isso estimulará a economia global na recuperação da pandemia do coronavírus, além de promover a globalização econômica e o livre comércio.

O acordo esteve em uma negociação cuidadosa nos últimos sete anos. Contudo, autoridades em Bruxelas temem que a postura dura do presidente dos EUA, Donald Trump, em relação a Pequim possa prejudicar qualquer chance de um acordo.  

Mas será necessária a aprovação do Parlamento Europeu no próximo ano se for para se tornar lei. 

 

O projeto

A ideia é abrir novas oportunidades de negócios para empresas europeias e chinesas em uma ampla gama de setores.

Assim, as empresas europeias terão agora um melhor acesso a manufatura, engenharia, bancos, contabilidade, imóveis, telecomunicações e consultoria.

Isso ocorre quando os negociadores da Comissão conseguiram inserir uma cláusula de que seus investimentos “não deveriam ser tratados de forma menos favorável” que seus rivais domésticos.

Além disso, as autoridades da UE também concordaram que a China precisa ser mais transparente sobre os subsídios estatais.

Em troca de um melhor acesso ao mercado do bloco, Pequim terá que publicar uma lista de subsídios concedidos a determinados setores a cada ano.

Fonte DW

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes