Vacina russa para o Covid-19 pode ser aprovada em agosto

O país, que corre contra o tempo para ser o primeiro a lançar uma vacina contra o novo Coronavírus, enfrenta uma série de preocupações e questionamentos.

Uma vacina russa contra o Coronavírus está a caminho. Pelo menos essa é a expectativa anunciada pelo governo do país.

De acordo com uma reportagem da CNN, a aprovação regulatória da substância, que vem sendo desenvolvida pelo Instituto Gamaleya em Moscou, deve ocorrer na primeira quinzena de agosto. Se isso, de fato, acontecer, a Rússia se tornará o primeiro país do mundo a lançar uma imunização da doença.

O plano do governo é que os profissionais da área de saúde que atuam na linha de frente sejam os primeiros a receber a vacina para o Covid-19.

 

Preocupações com a vacina russa

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

vacina russa contra Covid-19
Foto: Reprodução

A rapidez do lançamento da vacina russa tem despertado preocupações ao redor do mundo, principalmente em relação à eficácia e segurança. Os processos envolvidos na criação da substância também vêm sendo questionados.

Isso porque a Rússia, segundo informações da CNN, não divulgou referências científicas da pesquisa. Além disso, os testes realizados em humanos ainda estariam incompletos, uma vez que a vacina russa estaria apenas na segunda etapa do processo de verificação. É nessa fase que se pode verificar, mais detalhadamente, se o produto é seguro e eficaz.

O terceiro, e último, estágio de testes (que compreende a testagem em larga escala) se daria em 3 de agosto, ao mesmo tempo em que teria início a vacinação dos profissionais de saúde.

Para os críticos dessa corrida acelerada em busca da aprovação da vacina, o empenho do governo tem a ver com o desejo de impulsionar a imagem da Rússia como uma força científica global.

Por outro lado, cientistas do país defendem que a aprovação da vacina russa está adiantada porque tem origem em uma versão já utilizada contra outras doenças.

Nos Estados Unidos, o laboratório Moderna vive um processo parecido. Com o apoio do governo local, os testes para a sua vacina chegam à fase 3 ao longo desta semana. Pelo mundo, existem mais de 100 vacinas para a Covid-19 em processo de desenvolvimento.

Ao menos quatro delas já chegaram à fase final de testes em humanos, de acordo com dados da OMS, incluindo três pesquisas chinesas e uma na Grã-Bretanha.

 

Parceria com o Instituto Butantã

 

Esta semana, o Instituto Butantã foi procurado por autoridades russas que propuseram uma parceria para a produção de uma vacina para o Covid-19.

O instituto já atua em conjunto com o laboratório chinês Sinovac Biotech na terceira fase da produção da Coronavac, a vacina chinesa que começa a ser testada no Brasil. Os primeiros testes foram feitos em profissionais de saúde do Hospital das Clínicas de São Paulo e a imunização será aplicada em 2 etapas.

Enquanto o Instituto Butantã segue em negociação com os emissários russos, a vacina de Oxford também já está em fase de testes em solo brasileiro. Por aqui, a expectativa é de que a primeira vacina contra o Coronavírus comece a ser distribuída gratuitamente ainda em janeiro de 2021.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes