Vacinas protegem contra nova mutação da covid-19, diz médico

As vacinas existentes para covid-19 serão eficazes no combate à infecção das novas mutações do coronavírus, diz médico.

De acordo com especialistas, as atuais vacinas protegem contra nova mutação da covid-19

Recentemente o Reino Unido identificou uma nova mutação do vírus que pode se espalhar mais rapidamente que as variantes anteriores.

Assim, países como Itália, Alemanha, Canadá e Israel proibiram voos do Reino Unido após relatos da nova mutação.

Vin Gupta, professor assistente afiliado do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington, disse estar confiante de que as vacinas atuais protegerão contra as diferentes mutações da covid-19.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Há uma forte crença de que a vacina, como existe hoje, será eficaz contra a infecção dessa nova mutação da Inglaterra”, disse Gupta .

De acordo com Gupta, no nível genético, a nova mutação provavelmente será “muito semelhante” às anteriores.

 

Vacinas protegem contra nova mutação
Imagem: Reprodução / iStock

Atuais vacinas protegem contra nova mutação da covid-19

Segundo o médico, as vacinas provocam uma “resposta realmente forte no corpo em termos de produção de anticorpos”.

As vacinas produzidas pela  Pfizer e Moderna relataram taxas de eficácia de mais de 90%. 

O Reino Unido foi o primeiro país do mundo a autorizar e lançar a vacina desenvolvida pela Pfizer para uso emergencial. 

Além disso, os EUA e o Canadá estão entre os países que também aprovaram o uso da vacina para emergências.

“A eficácia dessas vacinas na produção de anticorpos que podem realmente atacar e matar a covid-19 é extraordinária”, disse ele. 

“Não espero que essas pequenas mudanças no nível genético afetem o desempenho das vacinas no curto prazo”, acrescentou.

Contudo, as versões futuras da vacina precisarão levar em consideração as novas mutações do vírus, da mesma forma que as vacinas contra a gripe fazem atualmente, disse Gupta.

“Acho que isso pode impactar nosso trabalho futuro, mas não vai impactar no curto prazo”, disse ele. Assim, “isso não afetará a eficácia das vacinas atuais no fim da pandemia”.

Fonte CNBC

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes