Vacinas protegem contra nova mutação da covid-19, diz médico

As vacinas existentes para covid-19 serão eficazes no combate à infecção das novas mutações do coronavírus, diz médico.

De acordo com especialistas, as atuais vacinas protegem contra nova mutação da covid-19

Recentemente o Reino Unido identificou uma nova mutação do vírus que pode se espalhar mais rapidamente que as variantes anteriores.

Assim, países como Itália, Alemanha, Canadá e Israel proibiram voos do Reino Unido após relatos da nova mutação.

Vin Gupta, professor assistente afiliado do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington, disse estar confiante de que as vacinas atuais protegerão contra as diferentes mutações da covid-19.

“Há uma forte crença de que a vacina, como existe hoje, será eficaz contra a infecção dessa nova mutação da Inglaterra”, disse Gupta .

De acordo com Gupta, no nível genético, a nova mutação provavelmente será “muito semelhante” às anteriores.

 

Vacinas protegem contra nova mutação
Imagem: reprodução / istock

Atuais vacinas protegem contra nova mutação da covid-19

Segundo o médico, as vacinas provocam uma “resposta realmente forte no corpo em termos de produção de anticorpos”.

As vacinas produzidas pela  Pfizer e Moderna relataram taxas de eficácia de mais de 90%. 

O Reino Unido foi o primeiro país do mundo a autorizar e lançar a vacina desenvolvida pela Pfizer para uso emergencial. 

Além disso, os EUA e o Canadá estão entre os países que também aprovaram o uso da vacina para emergências.

“A eficácia dessas vacinas na produção de anticorpos que podem realmente atacar e matar a covid-19 é extraordinária”, disse ele. 

“Não espero que essas pequenas mudanças no nível genético afetem o desempenho das vacinas no curto prazo”, acrescentou.

Contudo, as versões futuras da vacina precisarão levar em consideração as novas mutações do vírus, da mesma forma que as vacinas contra a gripe fazem atualmente, disse Gupta.

“Acho que isso pode impactar nosso trabalho futuro, mas não vai impactar no curto prazo”, disse ele. Assim, “isso não afetará a eficácia das vacinas atuais no fim da pandemia”.

Fonte CNBC
Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.