Nova Zelândia: população legaliza eutanásia e proíbe maconha

Nova Zelândia é o primeiro país a ter eutanásia após consulta popular; em outro referendo foi rejeitada a legalização da maconha

A população da Nova Zelândia escolheu e o governo anunciou, nesta sexta-feira, que este é o primeiro país a aprovar através de referendo a eutanásia.

Nova Zelândia escolheu eutanásia

Os resultados ainda preliminares mostram que 65,2% da população que votou optou pela permissão da eutanásia. A prática consiste na morte assistida de pacientes terminais adultos com uma estimativa de menos de seis meses de vida.

Há uma série de requisitos, no entanto, para exigir a eutanásia. Os pacientes devem ter mais de 18 anos e aprovação de dois médicos. A lei já havia sido aprovada em 13 de novembro do ano passado pelo parlamento da Nova Zelândia e deve entrar em vigor em novembro de 2021.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A lei é clara quanto ao método da eutanásia. Segundo o texto, os médicos aplicarão um medicamento letal a adultos que sejam vítimas de doença terminal que lhes cause “sofrimento insuportável”, desde que o paciente tenha feito o pedido de forma consciente e voluntária.

Por outro lado, 33,8% dos eleitores se disseram contra a eutanásia. A própria Associação Médica da Nova Zelândia se opôs à legalização da prática, por considerar antiética.

Hoje, a eutanásia é legalizada na Holanda, Bélgica, Luxemburgo, Colômbia e Canadá. Também é permitida em alguns estados dos Estados Unidos e no estado australiano de Vitória.

Em outros países é permitido o suicídio assistido. Nessa situação, o próprio paciente administra em si a medicação letal. Em fevereiro deste ano, o Tribunal Constitucional Federal da Alemanha permitiu a prática.

Legalização da maconha não passa

No mesmo referendo, a população da Nova Zelândia pode votar sobre a eutanásia e sobre a legalização do uso recreativo da maconha.

Neste segundo ponto, no entanto, segundo os resultados preliminares, 53,1% rejeitaram a medida, enquanto 46,1% a aprovaram.

Saiba mais: Maconha medicinal: SUS terá o medicamento a partir de 2021

O governo neozelandês informou que a primeira-ministra do país, Jacinda Ardern, votou favoravelmente às duas medidas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes