São Paulo tem mais de 3 mil queixas sobre festas na pandemia

De acordo com levantamento da Prefeitura de São Paulo, queixas sobre festas referiam-se a perturbação de sossego e poluição sonora

De 23 de março, início da quarentena em São Paulo, até o dia 18 de outubro, o serviço de solicitações por telefone da prefeitura de recebeu 3.050 queixas que tinham o termo “festas” e se referiam a eventos feitos na pandemia.

São Paulo: queixas variadas

Todas as denúncias foram feitas usando como base o serviço 156 e referiam-se a estabelecimentos que ficaram abertos durante a pandemia, mesmo com as restrições, e também a queixas sobre perturbação de sossego ou poluição sonora.

A Secretaria Municipal das Subprefeituras de São Paulo informou ter interditado 1.244 estabelecimentos que descumpriram as ordens vigentes durante a pandemia.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Do total, 829 estabelecimentos eram bares, restaurantes, lanchonetes e cafeterias. O valor da multa é de R$ 9.231,65, aplicada a cada 250 metros quadrados.

Durante o período de pandemia, bares, restaurantes, cafeterias e lanchonetes estão autorizados a funcionar na cidade de São Paulo 12 horas por dia, mas sem passar das 22h, e com capacidade reduzida a 60%.

Atividades que geram aglomeração, tais como festas e baladas, ou que se refiram à presença de torcedores em eventos esportivos e grandes shows com público em pé continuam proibidas em todos os 645 municípios paulistas.

Ainda assim, a vida cultural de São Paulo começa a tomar forma novamente. Depois de meses sem receber o público, espaços culturais e museus da capital paulista puderam reabrir desde o dia 13 de outubro. Veja a programação aqui.

Já no estado, há a preocupação com a retomada econômica. Na semana passada, o governador João Doria lançou o plano Retomada 21/22, que busca reverter a situação negativa e atrair investimentos para o estado.

Segundo Doria, o plano estima atrair R$ 36 bilhões em investimentos privados para impulsionar a economia paulista e gerar até 2 milhões de empregos no prazo de quatro anos.

Coordenado pelo secretário de Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles, o plano apresenta 19 projetos para atração de investimentos privados por meio de concessões e parcerias público-privadas (PPPs) em todas as regiões do estado. (com informações da Agência Brasil)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes