Banksy perde a marca registrada de seu famoso grafite “The Flower Thrower”

O anonimato do artista britânico significa que ele não pode ser formalmente identificado como o autor, de acordo com uma decisão europeia.

Banksy perde a marca registrada de uma de suas obras mais famosas, “The Flower Thrower”.

Por mais de quinze anos, há um  mistério em torno da verdadeira identidade de Banksy, e isso ajuda em sua fama. Porém, este segredo também pode pregar peças nele. 

De acordo com uma decisão europeia publicada na quinta-feira (17), o artista britânico perdeu o registro porque seu anonimato significa que ele não pode ser formalmente identificado como o autor.

Este julgamento do Escritório de Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO) diz respeito a uma das obras mais famosas de Banksy, que apareceu em uma parede em Jerusalém em 2005. Ela retrata um manifestante mascarado prestes a atirar um buquê flores.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A princípio, o misterioso artista urbano havia registrado uma marca para esta imagem na União Europeia em 2014. Mas, em 2018, a fabricante de cartões Full Color Black, que queria usar o trabalho para seus produtos, contestou esta decisão.

A empresa argumentou que Banksy havia registrado a marca de “má fé”, ou seja, sem a intenção de utilizá-la para produtos ou serviços.

 

Banksy perde a marca registrada
Imagem: Reprodução / Eric Ward

Banksy perde a marca registrada

“É claro que quando Banksy registrou a marca, ele não tinha a intenção de usar a obra para comercializar bens ou prestar serviços”, afirmou o EUIPO em sua decisão.

“O problema colocado pelos direitos de Banksy sobre a obra The Flower Thrower é claro: proteger seus direitos de propriedade intelectual exigiria que ele perdesse o anonimato. Porém, isso prejudicaria seu caráter”, especifica o texto. 

Portanto, “ele não pode ser identificado como o legítimo proprietário dessas obras”.

No ano passado, Banksy havia aberto uma loja pop-up em Londres chamada Produto Interno Bruto. De acordo com o artista, isso era para responder às questões levantadas neste litígio, mostrando que estava usando a marca registrada.

As autoridades europeias consideraram que esta iniciativa, pelo contrário, apenas reforçou os argumentos de quem fez a queixa. 

O EUIPO invalidou a marca registrada e condenou Banksy e seu representante legal a pagar as custas judiciais da Full Color Black.

O artista tem dois meses para recorrer.

Informar Erro
Fonte Le Monde

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes