São Paulo terá meta de redução dos gases de efeito estufa

O governador Geraldo Alckmin vai se reunir com empresários para definis as metas de redução de emissão de gases de efeito estufa.

Foz do Iguaçu – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), vai cumprir extensa agenda com empresários de todos os segmentos da economia durante os meses de julho e agosto para definir as metas de redução de emissão de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global e pelas mudanças climáticas. Essas metas farão parte dos compromissos a serem assumidos pelo Brasil, em dezembro deste ano, durante a COP 21 (Conferência de Clima da Organização das Nações Unidas), em Paris. A expectativa é que a conferência resulte em novo acordo mundial acerca do tema, com participação de “pesos pesados” da economia global, como Estados Unidos e China, países até agora fora do pacto.

Emissão de gases de efeito estufa

Efeito estufaSegundo a secretária do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Patrícia Iglecias, as lideranças empresariais dos principais segmentos da atividade econômica paulista serão chamadas para dialogar com o governo estadual a fim de discutir e elaborar protocolos setoriais acerca da menor emissão de gases de efeito estufa. “Os estados e municípios estão ganhando um protagonismo cada vez maior no encaminhamento de várias questões que dizem respeito à vida concreta dos cidadãos, justamente por estarem mais próximos da pressão da população”, enfatizou a secretária na última sexta-feira, ao participar de debate sobre o impacto, nas cidades, das mudanças climáticas, durante o 6º Fórum de Meio Ambiente, em Foz do Iguaçu (PR), promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide).

Processos produtivos

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Ainda de acordo com Patrícia Iglecias, atualmente o governo paulista está levantando dados sobre as práticas das empresas – do agronegócio, indústria, comércio e serviços – no que diz respeito à diminuição, nos seus processos produtivos, da emissão de gases de efeito estufa. Em seguida, virá a negociação com os empresários para ampliar essas ações e, mais do que isso, estabelecer metas para facilitar a fiscalização, por parte do governo, e assim garantir o cumprimento dos objetivos traçados. “Estamos otimistas em relação à receptividade desta agenda com os empresários, já que cuidar do meio ambiente é uma nova realidade do mercado e as empresas estão cada vez mais conscientes disso”, ressaltou a secretária.

Resíduos sólidos

LixoOutra iniciativa do governo paulista visando mitigar os impactos negativos das mudanças climáticas foi adotada semana passada, com a resolução 45/2015, que vincula a licença ambiental de operação, concedida pela Cetesb, ao cumprimento de acordos firmados com alguns segmentos econômicos no âmbito do Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), criado pela lei 12.305, de 2010. De acordo com Patrícia Iglecias, a ideia é avançar daqui para frente na definição da logística reversa – a devolução de resíduos sólidos às lojas e indústrias – dos seguintes segmentos econômicos: lâmpadas, pneus, medicamentos, agrotóxicos e suas embalagens e eletroeletrônicos em geral, previstos na legislação federal que está sendo regulamentada e implementada aos poucos nos estados e municípios. Os primeiros acordos com empresas dessas áreas que atuam no Estado de São Paulo foram firmados em 2011, mas segundo a secretária de Meio Ambiente, precisam dar novos passos com a determinação de metas para serem cumpridas ao longo dos próximos anos.

/A jornalista viajou a convite do Grupo de Líderes Empresariais (Lide)

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes