Guedes diz que 13º do Bolsa Família é crime de responsabilidade fiscal

A recomendação acontece porque, segundo Guedes, não houve provisão de recursos para o pagamento em dois anos seguidos

Na última sexta-feira (18), o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que o governo é contra o benefício extra do 13º salário para famílias carentes cadastradas no Bolsa Família, e pagamento se configuraria como crime de responsabilidade. Isso aconteceu após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter culpado o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pela falta do pagamento.

 

Crime de responsabilidade

“Sou obrigado, contra minha vontade, a recomendar que não pode ser dado o 13º do Bolsa Família”, afirmou Guedes. Segundo o ministro, a concessão do 13ª parcela novamente pelo governo é crime de responsabilidade.

“Observamos que, pela Lei de Responsabilidade Fiscal, se você der um 13º por dois anos seguidos, está cometendo crime de responsabilidade fiscal pois não houve a provisão de recursos”, justificou. Assim, sem a provisão orçamentária o governo iria infringir as regras fiscais.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

13º salário para o Bolsa Família

Na quinta-feira (17), então, o presidente passou a responsabilidade da falta de pagamento do 13º para os beneficiários do Bolsa Família ao presidente da Câmara. O deputado, por outro lado, respondeu chamando-o de mentiroso.

“Você está reclamando do 13º do Bolsa Família, que não teve. Sabia que não teve este ano? Foi promessa minha? Foi. Foi pago no ano passado? Mas o presidente da Câmara deixou caducar a MP. Vai cobrar de mim? Cobra do presidente da Câmara, que o Supremo agora não deu o direito de ele disputar a reeleição. Cobra dele”, disse Bolsonaro em sua transmissão semana pela internet.

“Nunca imaginei que Bolsonaro fosse mentiroso”, disse Maia à Folha, ao ser informado da acusação feita pelo presidente na live. “Foi pedido do governo, mas tem um projeto do deputado Darci de Matos [PSD-SC] criando o 13º. Posso votar amanhã [sexta-feira (17)], se ele quiser”, afirmou o presidente da Câmara.

 

Promessa de campanha

Em 2019, em suma, o governo editou uma Medida Provisória pontual para cumprir a promessa de campanha que previa o pagamento do benefício do 13º salário . Enquanto o governo operou para que a MP caducasse no início do ano, a oposição queria tornar o 13º permanente e estendê-lo ao Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Durante a tramitação no Congresso, o relator da matéria, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), propôs que a parcela extra continuasse para todos os anos seguintes. Entretanto, a medida perdeu a validade em 25 de março enquanto estava na pauta da Câmara dos Deputados e seguiria ao Senado. O pagamento de um 13º salário para o Bolsa Família dependeria de uma nova MP ou envio de projeto de lei ao Congresso Nacional.

Contudo, de acordo com a Folha, MP não teve votação por uma articulação do próprio governo, que previa um impacto de R$ 8 bilhões aos cofres públicos. Conforme a avaliação, o pagamento do auxílio emergencial pelos beneficiários do programa seria superior ao valor médio do Bolsa Família, e equivaleria a um 14º e 15º.

 

Leia também:

Bolsonaro culpa Maia por falta de 13º salário ao Bolsa Família

Proposta de 13º salário do Bolsa Família é retirada da pauta; entenda

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes