13º salário não deve ser pago ao Bolsa Família em 2020

Conforme a avaliação, o pagamento do auxílio emergencial pelos beneficiários do programa seria superior ao valor médio do Bolsa Família, e equivaleria a um 14º e 15º

O governo Bolsonaro não deve pagar um 13º salário para os beneficiários do Bolsa Família neste ano, segundo técnicos da equipe econômica e assessores do presidente. Conforme a avaliação, o pagamento do auxílio emergencial pelos beneficiários do programa seria superior ao valor médio do Bolsa Família, e equivaleria a um 14º e 15º.

De acordo com matéria da Uol, um técnico da equipe econômica afirmo qu o pagamento do 13º do Bolsa Família não está em debate.

“As pessoas receberam pelo menos R$ 600 durante cinco meses. Esse valor é bem superior ao Bolsa Família e equivaleria a um 14º e a um 15º. Se pagarmos um 13º para beneficiários do Bolsa Família, também teremos que pagar para quem recebe o auxílio emergencial? Não está claro. Mas essa decisão é política e depende do presidente Bolsonaro. Mas não há debates sobre isso no governo”, disse o técnico da equipe econômica.

Além disso, assessores de Bolsonaro afirmam que o pagamento não está em debate pelo Planalto e pela assessorias jurídicas da Casa Civil e da Secretaria-Geral da Presidência da República.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

13º salário do Bolsa Família como promessa de campanha em 2019

Em 2019, o governo editou uma Medida Provisória pontual para cumprir uma promessa de campanha. A MP previa o pagamento do benefício do 13º salário apenas em 2019. Enquanto o governo operou para que a MP caducasse no início do ano, a oposição queria tornar o 13º permamente e estendê-lo ao Benefício de Prestação Continuada (BPC).

O pagamento de um 13º salário para o Bolsa Família dependeria de uma nova MP ou envio de projeto de lei ao Congresso Nacional.

 

Bolsa Família e Renda Cidadã

O programa atende famílias em situação de pobreza e extrema pobreza. Todavia, o governo estuda medidas para o financiamento do Renda Cidadã, projeto que deve dar continuidade ao Bolsa Família e ao auxílio emergencial. Entre elas, estão o congelamento de aposentadorias e pensões, e o fim do abono salarial.

Com diversas discussões sobre o projeto, o Renda Cidadã deve ficar fora do Orçamento de 2021. As fontes dos recursos devem terão estudo apenas no ano que vem. A expectativa é que haja ampliação no número de famílias beneficiadas.

O Renda Cidadã teve como relator o senador Márcio Bittar (MDB-AC), que desejava usar precatórias e o Fundeb para aumentar a renda do novo programa social. Com implementação pelo governo Bolsonaro, deve seguir como uma continuidade do auxílio emergencial e do Bolsa Família, funcionando como uma transição para o Renda Brasil.

Dessa forma, a implementação do Renda Cidadã pode impulsionar e dar fôlego para a equipe de Paulo Guedes conseguir o apoio para o corte de despesas e encaixe do programa social com os limites do teto de gastos. Por outro lado, o atual cenário administrativo não pode garantir sua implementação. A principal dificuldade imposta é o teto de gastos. Assim, está sendo avaliada a possibilidade de manter o Bolsa Família caso não se encontre uma maneira de custear o programa.

 

Leia também:

Fonte Uol

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes