O que pensa Arthur Lira sobre o auxílio emergencial?

O presidente da Câmara dos Deputados enfatiza que, apesar do foco nos programas sociais durante a pandemia, não vai extrapolar o teto de gastos

Eleito na segunda-feira (1), Arthur Lira (PP-AL) deve assumir a presidência da Câmara dos Deputados. O candidato era apoiado por Jair Bolsonaro (sem partido), e obteve 302 votos, contra 145 de seu adversário na sessão, o deputado Baleia Rossi (MDB-SP). Durante a candidatura, o deputado estabeleceu posturas em relação ao auxílio emergencial, que tem como principal impedimento a falta de recursos para a prorrogação. Confira:

 

Arthur Lira e Auxílio emergencial

No início de janeiro, Lira comentou sobre a falta de recursos para a prorrogação do auxílio emergencial em 2021. Em coletiva realizada no dia 11, o parlamentar afirmou que não há recursos para a extensão da medida e disse que não era “mágico”.

“Eu não sou mágico. Nós não temos como propor uma solução a curto prazo, de onde vem [os recursos]?”, disse, conforme noticiado pelo iG. “Estamos no recesso, sem orçamento, sem previsão de PLNs (Projeto de Lei do Congresso Nacional). Não sei como a Câmara vai se reunir para criar imposto, no período de recesso, e resolver esse problema. Não pode fazer esse tumulto, isso aí não é brincadeira”, afirmou Lira. 

A fala de Lira foi na contramão do  concorrente, o deputado Baleia Rossi (MDB-SP), que afirmou que pretendia negociar a prorrogação do auxílio emergencial ou aumentar o valor das parcelas e o número de beneficiários do Bolsa Família. Além disso, o deputado lembrou que a destinação das verbas do Orçamento deste ano ainda não foi aprovada pelo Congresso Nacional.

“Não dá pra falar vamos votar o auxílio agora sem falar de onde tirar recurso”, afirmou. “Com clama e muita firmeza, o único caminho é votar rapidamente o orçamento com a CMO (Comissão Mista do Orçamento) e ainda, na primeira quinzena, o governo possa fazer algum aceno com o orçamento de modo que não se crie problemas”, disse Lira.

 

Foco em programas sociais – Arthur Lira

Já segundo a Reuters, em 20 de janeiro, o então candidato afirmou que o esforço do “novo Congresso” terá como foco ações de combate à crise do coronavírus, citando o fortalecimento de programas sociais, a imunização da população e a recuperação da economia.

- PUBLICIDADE -

“Um assunto que deve prevalecer muito aqui é justamente esse, atualmente, de que a gente foque nessa discussão e na ajuda para que debele essa pandemia, para que a gente acerte nessa logística da vacina, para que a população possa ter tranquilidade, a economia possa se levantar com tranquilidade”, disse o candidato a jornalistas no Rio de Janeiro. Sem mencionar o auxílio emergencial, enfatizou a prioridade no fortalecimento dos programas.

“Então todo o esforço do novo Congresso, a partir dessa nova Mesa, vai ser prioridade 1, 2 e 3 o fortalecimento de alguns programas sociais, tratar a vacina com muito critério, cuidar da nossa economia e nisso o Rio está inserido”, completou.

 

Teto de gastos e auxílio emergencial

Leia também

Certidão FGTS: confira o passo a passo para emitir a CRF

Cadastro Único online 2021: saiba como fazer a consulta

O auxílio emergencial voltou aos discursos do presidente da Câmara durante a reunião mensal do Conselho Político e Social (COPS), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). De acordo com a Uol, Lira afirmou que a base de beneficiários do auxílio emergencial deve ser enxugada.

“Penso que foi providencial para manutenção da economia aquecida, mas sabemos que ele teve falhas. Acho que a base de recebimento será menor. O cadastro será mais polido”, disse. “Eu tenho a impressão de que, dentro do teto, com o Orçamento aprovado, o mercado aceitaria entre R$ 20 bilhões e R$ 50 bilhões por um período máximo de seis meses”, afirmou Lira. “O nosso esforço e otimismo nesse assunto é que a gente precise de dois a três meses, com o Orçamento aprovado, para discutir um novo programa. Para isso, precisaria da PEC emergencial para ter espaço e garantir o teto”, acrescentou.

O então candidato enfatizou que não conversou com ninguém do governo neste ano sobre a possibilidade de prorrogação do auxílio ou mesmo a criação de um novo programa social que possa substituir ou reformular o Bolsa Família.

 

Pautas econômicas

Em janeiro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a cogitar a ideia de apresentar novamente o projeto que estabelece o imposto para transações financeiras. A discussão da medida só seria feita caso Arthur Lira (PP-AL) vencesse a disputa para o comando da Câmara dos Deputados . Segundo o iG, Lira negou ter conversado com o ministro da Economia sobre a eventual disposição em retomar a discussão sobre imposto nos moldes da antiga CPMF.

- PUBLICIDADE -

“Eu quero deixar claro uma mudança de rumo na Câmara dos Deputados a partir de 2 de fevereiro. O presidente (da Casa) vai sempre ouvir o colégio de líderes, vai sempre ouvir a maioria vai sempre ouvir as bancadas. A política do ‘eu faço’ vai acabar. Nós vamos fazer”, afirmou.

Além disso, espera-se que avancem nas reformas. Em evento realizado com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Arthur Lira defendeu a aprovação da reforma administrativa logo no primeiro ano de mandato e colocou a tributária em segundo plano.

 

Qual é o papel do presidente da Câmara dos Deputados?

O presidente da Câmara dos Deputados é o responsável por representar todas as decisões tomadas na Câmara, além de supervisionar os trabalhos legislativos e pauta as votações da casa. Com um alto poder político e influência, o presidente está no segundo na linha de sucessão presidencial, atrás do vice-presidente, em casos extremos, como o impeachment do vice, falecimento, exoneração do cargo, demissão, entre outros. Já o papel da Câmara, segundo a Constituição brasileira, é “representar o cidadão”, “votar em leis” e “fiscalizar o governo federal”.

 

Leia também:

Qual o valor do benefício para quem tem 1 filho?

Quem é o novo presidente da câmara dos deputados

Fonte IG Uol Reuters

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes