Comércio varejista do Brasil atinge maior patamar de vendas em 20 anos

Segundo pesquisa, o faturamento do comércio de varejo cresceu, em média, 3,4% de julho para agosto

Em meio a notícias ruins da economia, um dado traz fôlego. O volume de vendas do comércio de varejo brasileiro cresceu 3,4% na passagem de julho para agosto deste ano. Esse foi o melhor resultado da série histórica da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), desde 2000.

O que diz a pesquisa?

O estudo mostra que acontece a quarta alta consecutiva do indicador, depois de quedas importantes nos meses de março (2,4%) e abril (16,7%). Isso equivale ao período inicial do isolamento por conta da pandemia de covid-19.

Com isso, é possível perceber que há retomada da economia – sobretudo no comércio – ao passo que as medidas restritivas vão sendo eliminadas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O atual resultado ficou até mesmo 2,6% acima do recorde anterior, de outubro de 2014.

O comércio de varejo também registrou altas de 5,6% na média móvel trimestral, de 6,1% na comparação com agosto do ano passado e de 0,5% em 12 meses. Ainda assim, no acumulado de 2020, há pequena queda de 0,9%.

Entre os meses de julho e agosto, cinco das oito atividades do comércio varejista tiveram alta, confira:

  • tecidos, vestuário e calçados (30,5%)
  • outros artigos de uso pessoal e doméstico (10,4%)
  • móveis e eletrodomésticos (4,6%)
  • equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (1,5%)
  • combustíveis e lubrificantes (1,3%)

Os setores que mais tiveram perdas nesse mesmo período foram:

  • artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos (-1,2%),
  • hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,2%)
  • livros, jornais, revistas e papelaria (-24,7%)

Quando é analisado o varejo ampliado, que também inclui o comércio de setores como materiais de construção e veículos/peças teve crescimento de 4,6% na comparação com julho, registrando altas nos materiais de construção (3,6%) e nos veículos, motos e peças (8,8%).

A receita nominal do varejo cresceu 3,9% na comparação com julho deste ano, de 10,1% na comparação com agosto de 2019, 2,4% no acumulado do ano e 3,4% no acumulado de 12 meses.

Já a receita do comércio de varejo ampliado teve altas de 5,2% se comparado com o mês anterior, 7,7% em relação a agosto do ano passado e 1% em 12 meses. No entanto, houve queda de 1,8% no acumulado de 2020.

Comércio com futuro incerto?

Agora, o desafio está em manter essa curva ascendente. Isso porque há preocupação entre comerciantes por conta da redução e futuro encerramento do auxílio emergencial dado a milhões de brasileiros. Os próximos relatórios de vendas do comércio irão mostrar o impacto disso em volume de vendas e até mesmo da retomada do emprego.

Agora, no entanto, o foco dos lojistas está no Dia das Crianças, mesmo com a Confederação Nacional do Comércio (CNC) esperando retração de pouco mais de 4%. Na sequência ainda estão no radar a Black Friday e o Natal, tradicionais boas datas para o comércio, em geral.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes