Crise na Argentina: entenda porque o país congelou tarifas de celular, internet e TV

Alberto Fernandéz afirmou que a medida de congelamento é necessária para que todos tenham acesso aos meios de comunicação no país, que tiveram seus preços elevados pela crise econômica.

O atual presidente argentino anunciou na sexta passada que vai congelar as tarifas de celular, TV e internet no país. Governo da Argentina alega que essa decisão tem a ver com o momento turbulento em que o mundo se encontra e com a crise econômica vigente no país. Por isso, entenda melhor o congelamento das tarifas pelo governo e a crise que a Argentina se encontra.

Crise econômica na Argentina

Contudo, os argentinos já vêm experimentando uma recessão antiga. 2020 já é o terceiro ano de queda na economia e aumento na inflação do país latino. Especialistas apontam que a Argentina pode estar caminhando para seu pior momento econômico em 20 anos.

Portanto, a situação teria se iniciado no governo anterior, de Maurício Macri, que tomou a maior ajuda da história do Fundo Monetário Internacional (FMI), US$ 56,3 bilhões (cerca de R$ 314 bi), levando o país à altas dividas públicas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

No começo do mês, o atual presidente, Alberto Fernandéz, conseguiu renegociar a divida externa com o FMI. Mas a situação não está controlada, economistas preveem uma queda de 12% no PIB argentino nesse ano. A Argentina, em 2019, teve uma inflação acima de 53% no ano. Nos primeiros sete meses de 2020, a taxa acumulada chega a 15,8%, com uma tendência de aumento nos próximos meses. O peso argentino está desvalorizado também, sua cotação gira em torno de 73 pesos para um dólar americano.

Ademais, com a pandemia do coronavírus, a situação econômica se agravou. O país está passando pela maior quarentena já enfrentada no mundo. já faz mais de 5 meses que o governo reafirma o isolamento social e mantém os comércios não essenciais fechados. Ainda no começo do mês, Fernadéz prorrogou a quarentena. Por isso, hoje, o país enfrenta uma grave crise economia, além de tentar frear os impactos na saúde pública. Segundo o ministério da saúde argentino o número de casos de COVID-19 passa dos 300000. E o país ultrapassa a marca de 6000 óbitos provocados pela doença.

Além disso, as reservas em moeda americana estão baixas. Hoje, se resumem a 10 bilhões de dólares. No Brasil, que possui uma boa quantia guardada, esse valor é da ordem de 400 bilhões.

Foto mostra Aberto Fernandéz, presidente da Argentina
Foto: Juan Mabromata

Congelamento de tarifas na Argentina em crise

Na sexta-feira (21) o presidente argentino, Alberto Fernandéz, publicou em seu twitter que as tarifas de televisão, celular e internet serão congeladas até 31 de dezembro de 2020.

Então, horas depois o Decreto de Necessidade e Urgência (DNU) foi publicado no Diário da União. Esse decreto estabelece que os futuros aumentos “deverão ser justos, razoáveis” e autorizados pelo governo. Algumas tarifas já estão congeladas desde dezembro do ano passado, como é o caso da energia elétrica. O Governo afirmou no decreto que esses serviços passam a ser “essenciais e estratégicos”. “Decidimos declarar como serviços públicos a telefonia móvel, os serviços de internet e a TV por assinatura. Dessa maneira, garantimos o acesso desses serviços para todos”, Fernandéz postou em suas redes sociais. As empresas de telefonia móvel e de internet já tinham anunciado aumentos de 15% a partir de 1° de setembro.

Mesmo com resistências à medida, Fernadéz argumentou que “A educação, o acesso ao conhecimento, à cultura e à comunicação são direitos básicos que devemos preservar”. O presidente alega que na situação de isolamento social, a tecnologia é a melhor forma para as pessoas se educarem, por isso, deve ser considerado um serviço essencial, com acesso garantido a todos. O presidente informou, além disso, que irá ordenar que as empresas ofereçam “planos inclusivos de prestação básica, universal e obrigatória” para a parcela mais pobre da população.

Crise política

Foto mostra os protestos na Argentina em crise
Foto: AFP

Então, com todos os problemas econômicos e a insatisfação popular com a longa quarentena, Alberto Fernandéz viu sua aprovação cair de 82%, em abril, para 40% em agosto.

Protestos foram realizados na capital da Argentina, Buenos Aires, e em pelo menos outra meia dúzia de cidades no final da tarde do dia 17 de agosto. As manifestações foram convocadas para criticar o governo do presidente, Alberto Fernández.

Além disso, o jornal argentino La Nación destaca que os motivos da revolta popular passam por questões estruturais, como o aumento da inflação e a crise econômica, uma proposta de reforma judiciária.

Oposição

Alguns políticos opositores à Fernadéz fizeram criticas a sua decisão de congelar as tarifas. Entre eles, Patricia Bullrich, chefe do partido Propuesta Republicana. Ela postou em seu twitter: “Planos mais baratos, menos concorrência, menos investimento, e, como resultado, uma lacuna maior na sociedade”.  E completou: “Esta não é uma política pública errônea, mas uma visão que Cristina Fernández de Kirchner tem, apoiada no modelo venezuelano“.

Silvana Giudici, ex-presidente da Entidade Nacional de Comunicações na gestão de Mauricio Macri afirmou, também em seu twitter, que o país está voltando a um esquema ultra-regulado e que assustará os concorrentes. Além de colocar mais desafios à sobrevivência das pequenas e médias empresas.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes