Entenda o que é a inflação no Brasil e por que está tão alta

Aumento da inflação no Brasil é o maior em 21 anos, e tem sido causado, em maior parte, pelo preço do combustível

A inflação no Brasil continua com o maior crescimento, de um mês para o outro, desde 2000. Em agosto deste ano, a variação foi de 0,87%, na comparação com julho. Já a relação entre julho e junho de 2021 foi de 0,96%. Ou seja, por dois meses consecutivos, esse índice tem sido os maiores neste século.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por meio do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indica que esse é o panorama atual da economia brasileira. Contudo, como isso reflete no dia a dia?

O que é a inflação?

A inflação é o aumento dos preços de produtos e serviços. Esse fator influencia no poder de compra da moeda, ou seja, no quando ela vale em um determinado local. No Brasil, ela é medida pelo IPCA, que pesquisa o custo de uma série de itens.

Na prática, essa mudança entre os meses faz com que os consumidores tenham de mudar o planejamento financeiro de suas casas, já que produtos ficam mais caros.

Em especial, itens como os combustíveis e diversos alimentos têm sido os principais vilões desse aumento, nos dias de hoje. Ou seja, mercadorias de consumo básico, que ditam o que a população vai colocar às mesas, por exemplo, têm estado no topo da lista de aumento.

Outro fator a ser considerado é o da inflação acumulada. Isto é, o quanto os preços realmente têm sido superiores ao que seriam cobrados originalmente, somados mês a mês. Atualmente, o cálculo é de 5,67%, o maior desde 2015. Portanto, tudo que se é consumido no Brasil deveria estar com em um valor menor.

Por que a inflação no Brasil está tão alta?

Vários fatores influenciam no aumento da inflação no Brasil. No caso de vários alimentos, a seca enfrentada pelo País é o principal motivo. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou que o País vive o pior cenário de escassez hídrica há 91 anos. Isto é, os rios estão em níveis mais baixos por falta de chuvas e excesso de temperatura nos lugares.

Nesse sentido, as plantações e o pasto utilizado para animais têm apresentado mais problemas, que geram dificuldade para os produtores e perda de lucro. Para compensar isso, o preço sobe e o consumidor sente no bolso.

Além disso, a moeda brasileira, o real, tem estado mais desvalorizada, em relação as de outros países, como o dólar. Por isso, quem produz prioriza exportar mercadorias para o exterior do que vender para o mercado interno. Logo, com menos oferta, os produtos também tendem a crescer.

A Petrobras, estatal brasileira responsável pela venda do combustível, baseia seus preços nos valores internacionais, em dólar. Desse modo, a moeda estadunidense influencia diretamente na inflação, em relação a esse item.

“O preço da gasolina é influenciado pelos reajustes aplicados nas refinarias de acordo com a política de preços da Petrobras. O dólar, os preços no mercado internacional e o encarecimento dos biocombustíveis são fatores que influenciam os custos, o que acaba sendo repassado ao consumidor final”, disse o analista da pesquisa de preços do IBGE, André Filipe Guedes Almeida, por meio de nota oficial.

O analista diz que os transportes têm sido o principal inimigo da população, com maior impacto no índice de inflação. Esse setor responde por 20,87% da taxa, enquanto o outro, 20,83%. “Em oito meses, o preço da gasolina sofreu alta em sete deles. Somente em abril houve queda no preço dela, de 0,44%”, destaca.

Desde maio do ano passado, o maior peso era o da alimentação. Até então, o fator alimentício respondia por 19,97% do IPCA, para 19,85% do transporte.

Produtos mais atingidos pela inflação em 2021

Alguns produtos específicos estão com maior inflação no Brasil. O pepino está no topo da lista, já que está aproximadamente 78% mais caro que o habitual. Já o etanol está com quase 40% a mais de preço, por exemplo, enquanto a gasolina tem cerca de 31% de inflação. Com informações do IBGE, veja abaixo os 50 produtos que mais estão inflacionados no Brasil:

  1. Pepino: 78,51%
  2. Abobrinha: 72,90%
  3. Pimentão: 58,18%
  4. Etanol: 40,75%
  5. Revista: 34,72%
  6. Gasolina: 31,09%
  7. Gás veicular: 30,12%
  8. Óleo diesel: 28,02%
  9. Açúcar refinado: 27,11%
  10. Fubá de milho: 25,05%
  11. Mandioca (aipim): 24,93%
  12. Repolho: 23,82%
  13. Gás de botijão: 23,79%
  14. Melão: 22,14%
  15. Açúcar cristal: 20,15%
  16. Pneu: 19,59%
  17. Mudança: 19,22%
  18. Material hidráulico: 18,57%
  19. Pá: 18,29%
  20. Peixe-cavala: 18,21%
  21. Gás encanado: 17,88%
  22. Filé mignon: 17,72%
  23. Café moído: 17,72%
  24. Manga: 17,66%
  25. Frango em pedaços: 17,09%
  26. Peixe-curimatã: 16,81%
  27. Revestimento de piso e parede: 16,48%
  28. Músculo: 16,36%
  29. Açúcar demerara: 16,05%
  30. Ferragens: 15,87%
  31. Margarina: 15,86%
  32. Esponja de limpeza: 15,41%
  33. Carne de carneiro: 15,39%
  34. Alimento para animais: 15,16%
  35. Videogame (console): 13,99%
  36. Feijão mulatinho: 13,49%
  37. Acém: 13,49%
  38. Feijão-macáçar (mulatinho): 13,44%
  39. Televisor: 13,21%
  40. Patinho: 13,12%
  41. Alface: 12,62%
  42. Joia: 12,60%
  43. Limão: 12,03%
  44. Fígado: 12,00%
  45. Costela: 11,98%
  46. Agasalho feminino: 11,96%
  47. Pão de forma: 11,93%
  48. Leite fermentado: 11,60%
  49. Refrigerador: 11,58%
  50. Serviços de streaming: 11,52%

IPCA – Indicador de inflação no Brasil

O IPCA é o principal índice que mede a inflação no Brasil. Assim, são pesquisados nove grupos de consumo, em 11 municípios específicos, por meio de pesquisas feitas on-line e por telefone.

Por isso, todas as cidades analisadas registraram encarecimento de bens e serviços. Em especial, Brasília, que teve aumento de 1,4%. A capital brasileira tem tido a gasolina e energia elétrica como principais grupos mais inflacionados.

No entanto, Belo Horizonte registrou menor aumento, de 0,43%, já que as passagens aéreas e a taxa de água e esgoto ficaram mais baratas.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes