Fim do auxílio emergencial: governo quer oferecer microcrédito aos beneficiários

O governo estuda a criação de um programa de microcrédito para os trabalhadores informais que recebem o auxílio, mas que vão ficar sem amparo com o seu fim.

O fim do auxílio emergencial está previsto para dezembro deste ano, quando ocorrem os últimos depósitos do benefício em poupança social digital da Caixa. Ao passo que as liberações para saques e transferências seguem até janeiro de 2021. Sendo assim, o governo estuda a criação de um programa de microcrédito para os trabalhadores informais que recebem o auxílio, mas que vão ficar sem amparo com o seu fim.

Nota-se que a Caixa Econômica Federal pode oferecer 10 bilhões para financiamento da linha de crédito. De modo que, se espera adquirir mais R$ 15 bilhões com outras medidas em análise, totalizando R$ 25 bilhões. De acordo com o jornal Estadão, a proposta foi discutida entre Onyx Lorenzoni, ministro da Cidadania, e Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC).

Microcrédito para o fim do auxílio emergencial

A saber, a expectativa é que se empreste entre R$ 1,5 mil e R$ 5 mil para os beneficiários afetados pelo fim do auxílio emergencial. Dito que, a continuidade do benefício no próximo no ano não é uma alternativa pensada pelo Ministério da Economia.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O microcrédito é estudado então como forma de auxiliar os brasileiros que estão na informalidade e que até o auxílio emergencial não recebiam nenhum benefício do governo. Havia também a discussão sobre o Renda Cidadã, programa que pretendia substituir o Bolsa Família e ampliar o número de beneficiários.

Para chegar aos R$ 25 bilhões, o governo pensa como uma das medidas aumentar os depósitos compulsórios, recursos que os bancos são obrigados a destinar ao BC. Ademais, para garantia dos empréstimos, pode-se reforçar o Fundo de Garantia de Operações (FGO) e o Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), do Banco do Brasil e do Banco Central, respectivamente.

Nota-se ainda o objetivo que os trabalhadores informais se formalizem como Microempreendedores Individuais (MEIs). Para ter direito a benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), ao realizar contribuições mensais à Previdência Social.

Com informações de Estadão

 

Leia também:

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes