Fim do auxílio emergencial põe 17 milhões de pessoas de volta à pobreza

Redução do benefício já colocou 7 milhões de brasileiros a nível de pobreza; número deve subir em 17 milhões com fim do Auxílio Emergencial

O Auxílio Emergencial foi um alívio para muita gente, porém, o fim do Auxílio Emergencial proposto para acabar em dezembro de 2020, colocará cerca de 17 milhões de brasileiros no nível de extrema pobreza.

Desde setembro, quando  o presidente Jair Bolsonaro reduziu pela metade o valor do auxílio emergencial – de R$ 600 para R$ 300, aumentou para 7 milhões, o número de brasileiros na linha da extrema pobreza.

Segundo o economista Daniel Duque, que atua na Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), o número de pessoas vivendo em situação de pobreza aumentou em mais de 8,6 milhões nos dois meses, que houve a redução do auxílio emergencial e mais de quatro milhões de pessoas caíram para linha da miséria no mesmo período.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Ele diz ainda que “pior momento vai ser em janeiro, quando será, de fato, o fim do auxílio emergencial aos brasileiros”.

Redução do auxílio emergencial X extrema pobreza

  • Agosto de 2020 – 5,171 milhões de pessoas vivendo na extrema pobreza
  • Setembro de 2020 – o número subiu para 9,251 milhões de brasileiros

Já o total de brasileiros vivendo na pobreza subiu de 38,766 milhões para 47,395 milhões, ou seja, um aumento de 8,6 milhões em um ano, disse o economista ao Estadão.

Déficit de investimentos

O governo federal investiu R$ 580 bilhões com políticas públicas para combater os efeitos econômicos da pandemia, sendo que 55% do valor (R$ 322 bilhões) foi para o auxílio emergencial.

O  orçamento de 2020 previa, no início do ano, um gasto de R$ 92,4 bilhões com políticas de desenvolvimento social, concentradas principalmente no Bolsa Família. Mais de 35% dos beneficiários do auxílio são famílias com rendimento mensal superior a R$ 536 per capita.

Segundo pesquisadores da FGV, o país ainda não atingiu um nível de PIB per capita suficiente nem para erradicar a extrema pobreza na linha de US$ 1,00 por dia, que acabaria se o Bolsa Família alcançasse todas as pessoas nessa situação, porém, com o fim do auxílio emergencial, esse número tende a aumentar.

Fim do auxílio emergencial

Já a diretora do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, afirmou que o fim do auxílio emergencial, pode significar obstáculos à recuperação econômica, porém, um aumento da desigualdade e fazer com que o Brasil alcance a marca total de 24 milhões de pessoas em situação de extrema pobreza.

O presidente Jair Bolsonaro disse na última terça-feira (15) que não haverá prorrogação e que sim, o fim do auxilio emergencial está mantido. Ele informou ainda que não há intenção de criar um novo programa de distribuição de renda e afirmou que a ideia é “aumentar um pouquinho” o Bolsa Família.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes