Homem usava nome de Neymar e Luciano Hang para receber auxílio emergencial

Polícia Federal investiga homem de Fortaleza que abriu contas em nome de várias personalidades, até mesmo do jogador Neymar

A Polícia Federal cumpriu nesta terça-feira, dia 27, em Fortaleza (CE), um mandado de busca e apreensão contra um homem investigado por fraudar contas do auxílio emergencial em nome de alguns famoso, inclusive o jogador Neymar.

Auxílio emergencial

Desde o início da pandemia, quando o governo federal passou a distribuir o auxílio emergencial de R$ 600, muitos casos de fraudes foram reportados.

O mandado de hoje, por exemplo, faz parte do inquérito que investiga esses crimes, com nomes de personalidades, na abertura de contas na Caixa Econômica Federal para recebimento indevido do benefício.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A investigação aponta que o homem preso hoje abriu duas contas utilizando os dados do jogador Neymar. Segundo os policiais, o acusado cadastrou com um celular os dados para recebimento do auxílio emergencial.

Nos meses de abril e maio, dizem as autoridades, que houve recebimento do benefício do auxílio emergencial aprovado em nome de outras personalidades, como o empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan, que foi transferido para a conta fraudada em nome de Neymar.

A PF disse ainda que a investigação apurou que o homem tentou também aplicar o mesmo golpe usando o nome de Paulo Guedes, ministro da Economia. Os policiais contam que o investigado conseguiu cadastrar diversas pessoas para o recebimento de auxílio emergencial cujas parcelas foram por ele sacadas.

Saiba mais: Beneficiários tem até segunda-feira para contestar benefício de R$ 300 negado

A Justiça Federal do Ceará expediu a ordem cumprida em Fortaleza, no endereço da residência do acusado. Lá a PF apreendeu documentos e mídias que serão periciadas para notar mais indícios de fraudes ou uso de outras personalidades na conduta criminosa.

O investigado responderá pelos crimes de “estelionato majorado, falsificação de documento público, uso de documento falso e organização criminosa, na medida de suas responsabilidades”, diz nota da PF.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes