Governo proibirá empresários de comprarem vacina para funcionários

Em reunião com empresários ligados à Fiesp, o ministro Braga Netto diz que setor privado não poderá comprar vacinas para funcionários. Governo alega que já tem cerca de 500 milhões de doses contratadas

O governo federal negou a possibilidade de empresas comprarem a vacina contra a Covid-19 para a imunização própria de funcionários, segundo afirmou nesta quinta-feira (14) o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf. Os empresários reforçaram a importância da vacinação para a economia do país em 2021. 

Vacina será distribuída pelo governo

A proibição foi comunicada em uma reunião virtual realizada com 28 empresários na quarta-feira (13). No encontro, participaram também o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco. O governo alegou que a campanha de vacinação será centralizada pelo Ministério da Saúde: “Essa possibilidade ontem foi negada. Essa possibilidade no momento não existe”, disse Skaf em entrevista à rádio CBN. 

“Uma empresa que tenha 100 mil funcionários, se ela quiser ir ao mercado, comprar a vacina e vacinar seus funcionários não pode”, acrescentou o presidente da Fiesp. Os empresários demonstraram preocupação com a demora para o início da imunização na reunião. Elcio Franco e Braga Netto disseram que não iriam falar em uma data para não “criar expectativa”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

No entanto, o secretário-executivo da Saúde buscou tranquilizar os empresários a respeito da demora para a vacinação. Afirmou que assim que a campanha for iniciada, o governo terá capacidade para fornecer 25 milhões de doses por mês, a partir do início de março, contando com a estrutura de produção do Instituto Butantan, a CoronaVac, e da Fiocruz, a vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. Segundo Elcio Franco, o governo federal já tem 50 mil pontos de vacinação à disposição e reservou cerca de R$ 20 bilhões para a realização da campanha nacional de imunização.

Skaf disse que os empresários já possuem dinheiro, logística e estrutura para a vacinação.”Aquela impressão que dá de inoperância, que as coisas estão meia estagnadas e o Brasil está ficando para trás, não se confirmou”, disse. “O que falta é só a vacina, o resto está tudo preparado, de acordo com as informações que tivemos na reunião de ontem”.

 

Pazuello sobre início da vacinação

Franco afirmou que a imunização terá início imediatamente após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar as vacinas do Instituto Butantan e da Fiocruz. O governo também afirmou que já tem cerca de 500 milhões de doses de vacina contratadas. A resposta da Anvisa aos pedidos de uso emergencial é aguardada para domingo. Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, afirmou que a vacinação vai começar ainda em janeiro, de forma simultânea e proporcional aos Estados.

 

Empresários querem ajudar na campanha de vacinação

No encontro, o vice-presidente do grupo Raia-Drogasil, Eugênio de Zagottis, presidente da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), disse que colocou à disposição do governo 4.500 lojas com estrutura para vacinar, além de 7.000 farmacêuticos. Braga Netto e Fábio Faria afirmaram que levariam a informação ao conhecimento do presidente Jair Bolsonaro.

Os ministros ainda informaram aos empresários que as negociações com a companhia aérea Azul Linhas Aéreas estão avançadas. O governo pretende fazer pela companhia o transporte gratuito das vacinas no país. Disse ainda que um Airbus da Azul vai sair amanhã do Aeroporto do Recife em direção à Índia, onde estão 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca. O pouso acontecerá no sábado, no Rio de Janeiro.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes