Revisão do INSS: prazo acaba para até 1,4 milhão em 2021

Antes de solicitar a revisão do INSS é recomendado olhar o extrato do Cnis e comparar os registros da carteira de trabalho

A revisão de pagamentos de benefícios do INSS pode chegar a cerca de 1,4 milhão de segurados. Isso de acordo com dados do Anuário Estatístico da Previdência Social, caso pensões e aposentadorias com início em 2011 ainda estejam sendo pagas.

Nesse sentido, a revisão do INSS é um direito dos aposentados e pensionistas. Ao passo que ela só pode ser feita no prazo de dez anos, começando a contar a partir do primeiro pagamento. Sendo assim, 2021 é o último ano para segurados que começaram a receber benefícios previdenciários em 2011 fazem o pedido de revisão do pagamento.

Sendo assim, os beneficiários podem solicitar ao INSS a nova análise dos cálculos que indicaram o valor inicial de suas rendas. No caso do órgão verificar irregularidades na aposentadoria ou pensão, o resultado pode acabar sendo a redução do valor ou até o cancelamento do pagamento.

É possível solicitar revisão do INSS por aplicativo

Então, antes de solicitar a revisão do INSS é recomendado que o cidadão faça ele mesmo uma reanálise. Ao olhar o extrato do Cadastro Nacional de Informações Sociais (Cnis) e comparar os registros de sua carteira de trabalho, carnês de recolhimento e contratos de trabalho.

Em caso de encontrar divergências nos registros, o segurado pode confirmar a situação ao pedir uma cópia de seu Processo Administrativo (PA), documento que reúne informações para o cálculo dos pagamentos mensais dos benefícios. Assim será possível verificar a necessidade da revisão.

O extrato do Cnis pode ser adquirido no site ou aplicativo do Meu INSS. Além disso, o pedido de revisão do INSS pode ser feito nessa mesma plataforma. O processo é simples e o segurado não precisa apresentar novos documentos.

Nota-se que essa solicitação não tem taxas e não necessita do auxílio de advogados. Ao passo que, se o pedido for negado, o aposentado ou pensionista tem ainda a opção de recorrer à Justiça.

 

Leia também:

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.