Saiba as regras da aposentadoria por idade rural

Trabalhador rural antes de 31/10/1991 pode ter o tempo de lavoura acrescentado na sua aposentadoria sem necessidade de ter contribuído para o INSS

Trabalhadores rurais tem direito a aposentadoria paga pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), segundo as regras da modalidade. Outro detalhe é que, mesmo com a reforma da previdência, as regras que dão o direito a aposentadoria por idade rural não foram alteradas. Confira:

 

Quem tem direito a aposentadoria por idade rural?

O trabalhador que deseja se aposentar por idade, apenas computando tempo rural, deve preencher dois requisitos:

  • O exercício das atividades pelo período de 15 anos, comprovado por prova documental e testemunhal;
  • Idade mínima de 60 anos para os homens, e 55 anos para as mulheres.

No caso da aposentadoria por idade rural, a Reforma da Previdência não trouxe mudanças. Tentaram avançar cinco anos na idade exigida, mas o pedido foi negado.

 

Como o produtor rural que nunca contribuiu pode aposentar?

O trabalhador rural antes de 31/10/1991 pode ter o tempo de lavoura acrescentado na sua aposentadoria sem necessidade de ter contribuído para o INSS. Por outro lado, é necessário comprovar a condição de segurado especial. São eles:

  • A família/trabalhador trabalhasse no meio rural, para o próprio sustento
  • Poderia haver venda ou troca de mercadorias, mas somente de um pequeno excedente
  • A família podia contratar no máximo 120 dias de trabalho para auxiliar no trabalho rural
  • A subsistência da família tinha que ser garantida pelo meio rural
  • A propriedade rural não explorasse o turismo mais que 120 dias no ano

 

Quais os documentos necessários?

Os documentos são muito importantes para a aposentadoria por idade rural, já que elas são necessárias para reconhecer o período como trabalhador rural. A Lei de Benefícios traz alguns documentos que são admitidos para provar a atividade rural, e outros que a jurisprudência entende que podem ajudar a comprovar.

  • Contrato individual de trabalho ou CTPS;
  • Contrato de arrendamento, parceria ou comodato rural;
  • Declaração do Sindicato dos Trabalhadores Rurais;
  • Registro de imóvel rural;
  • Comprovante de cadastro do INCRA;
  • Bloco de notas do produtor rural;
  • Notas fiscais de entrada de mercadorias;
  • Documentos fiscais relativos à entrega de produção rural à cooperativa agrícola com indicação do segurado como vendedor ou consignante;
  • Atestado de profissão do prontuário de identidade, com identificação da sua profissão ou de seus pais como lavrador ou agricultor;
  • Certidão de nascimento dos seus irmãos, que nasceram no meio rural, com identificação da profissão de seus pais como lavrador ou agricultor;
  • Certidão de casamento com identificação da sua profissão como lavrador, se você casou ainda no meio rural;
  • Histórico escolar do período em que estudou na área rural, com indicação da profissão de seus pais como lavrador ou agricultor;
  • Certificado de reservista, com identificação da sua profissão ou de seus pais como lavrador ou agricultor.

É importante tentar juntar documentos de todos os anos que você trabalhou no meio rural. Quanto mais documentos, e documentos de mais anos você tiver, mais chances de conseguir reconhecer este tempo.

Contudo, a partir de 1º de janeiro de 2023, a comprovação do exercício de atividade rural e condição de segurado especial apenas o CNIS. Para a comprovação da condição de segurado especial nos períodos anteriores, acontece através de uma autodeclaração que deve ser autenticada pelo PRONATER (Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária).

 

Leia também:

Renda básica emergencial deve ser estendida em São Paulo

Veja como solicitar aposentadoria pelo ‘Meu INSS’ em 10 passos

 

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.