Maia indica que votação da CBS pode acontecer nesta semana

Presidente da Câmara planejava votar a unificação do PIS e Cofins nesta terça-feira (22), e afirma que se colocou a disposição do governo

Nesta segunda-feira (21), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), levantou dúvidas sobre o interesse do governo na votação do projeto da CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços), que unifica o PIS e Cofins.

 

Votação da CBS

Na última semana, o presidente da Câmara avaliou ser possível votar no projeto sobre a unificação do PIS e Cofins ainda neste ano. Entretanto, o texto seguia com resistência. Segundo o que planejava Maia, a votação da proposta deveria acontecer nessa terça-feira (22), último dia antes do recesso parlamentar. Contudo, não houve contato do governo para auxiliar na construção do texto.

“Eu me coloquei à disposição do governo. Se o governo quiser [votar], é um projeto de autoria do governo, para não mostrar que a única pauta que eu voto é a reforma tributária da Câmara e do Senado, então estou à disposição”, afirmou.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Além disso, Maia defendeu a suspensão do recesso parlamentar para que o Congresso vote matérias importantes para a retomada da economia, como a PEC Emergencial. “Não me dá a impressão de que o governo tem interesse de estimular o debate no Congresso em janeiro”, afirmou. “Do meu ponto de vista vai ser um grande erro, o Supremo já tomou a decisão, parte do Supremo.”

 

Unificação do PIS e Cofins

Até o momento, o ministro Paulo Guedes (Economia) enviou a primeira fase da proposta de reforma tributária, o projeto que funde PIS e Cofins na chamada CBS. Mas a proposta defendida por líderes da Câmara é mais ampla (com a junção de IPI, ICMS, ISS, Cofins e PIS) e com uma transição mais lenta. Portanto, essa reforma inclui tributos federais, estaduais e municipais. O imposto, resultado da fusão, teria o nome de IBS (imposto sobre bens e serviços).

Segundo o modelo mais recente traçado pelo Ministério da Economia, a reforma iniciaria com a unificação do PIS/Cofins. Em suma, o projeto de lei consiste em substituir o PIS e Cofins com a votação pela nova Contribuição Social sobre Movimentação de Bens e Serviços (CBS). A alíquota do novo tributo será de 12%, com possibilidade de dedução do imposto pago em cadeias anteriores do ciclo de produção da empresa.

Com isso, acabaria o chamado modelo cumulativo do PIS/Cofins. Este não permite deduções de imposto pagos ao longo do ciclo, mas tem alíquota muito menor, de 3,65%. O setor de serviços, que não consome muitos insumos ao longo da cadeia, teria um aumento na carga tributária.

Assim, a reforma visa tornar o PIS/Cofins em uma vocação mais simples. Todos os setores terão uma alíquota única, com exceção de instituições financeiras e seguradoras, que devem pagar uma alíquota de 5,8%. A princípio, a proposta não deve afetar o Simples Nacional. Mas o contribuinte que está no Simples e presta serviço para outra pessoa jurídica pode tomar crédito da Contribuição Social sobre Operações de Bens e Serviços.

 

Leia também:

CBS terá alíquota menor em troca de concessão de estados e municípios

Votação para unificação do PIS e Cofins pode acontecer ainda neste ano

Fonte Folha

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes