Mudança climática representa ameaça ao crescimento global diz chefe do FMI

Reunião do Fundo Monetário Internacional discute possibilidades para diminuição de impactos ambientais com visão no futuro

A presidente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, fez um apelo na última segunda-feira, 12,  aos principais emissores de carbono do mundo. Segundo ela, “a mudança climática representa ameaça ao crescimento global”. Desse modo, a ideia é que os países concordem com um piso dos preços do carbono.

Assim, em uma reunião com os ministros da economia de 52 nações, Georgieva destacou a importância que os países adequem ao piso de carbono e executem investimentos “verdes”.

A mudança climática representa uma ameaça real para as economias e também para as futuras gerações. Por isso,  além dos investimentos para frear a pandemia da covid-19, é preciso focar em ações que diminuam os impactos ambientais resultantes de países poluentes.

Com isso, as nações envolvidas iriam impulsionar em média 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) global nos primeiros 15 anos de recuperação ambiental. Além disso, a chefe do FMI afirma que mesmo estando no meio de uma crise sanitária mundial, “devemos nos mobilizar para evitar a crise climática”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Desse modo, Kristalina frisou que “a crise ambiental já é uma realidade e devemos nos adaptar e criar resistência aos choques climáticos”. Ela também reitera o trabalho do FMI com os países integrantes e reforçou a importância de priorizar ações para minimizar os impactos ambientais.

Sendo apenas uma questão de tempo, como aponta o relógio do clima de NY, para que o planeta entre em colapso, o que comprova que a mudança climática representa ameaças de fato.

Entenda porque a mudança climática representa uma ameaça

Mudança Climática representa ameaça
Imagem: Reprodução / Pexels

Ao todo são 52 países que trabalham para integrar a redução de impactos ambientais em suas políticas econômicas. No entanto, a China e os Estados Unidos, os maiores emissores de carbono do mundo, não fazem parte da coalizão. Juntos, eles respondem por 43% das emissões mundiais de gases que retêm calor.

Para Georgieva a evidência é clara, de que “a mudança climática representa uma ameaça profunda ao crescimento e à prosperidade.” Por essa razão, as políticas macroeconômicas são centrais para evitar desastres climáticos.

Dessa forma, a precificação do carbono deve estar no centro da estratégia. E isso é possível. Segundo uma pesquisa do FMI, a adoção de medidas estratégicas poderiam ajudar a alcançar emissão líquida zero até 2050.

Mesmo com pandemia em curso, a Kristalina acredita que os países possam reservar parte dos US$ 12 trilhões em estímulos fiscais e investimentos verdes.  Com isso, “é fundamental fazer a implementação certa, inclusive para proteger as pessoas e setores vulneráveis para garantir uma transição justa”.

Mudança Climática representa ameaça ao planeta
No cartaz:”O clima está mudando. Então precisamos agir”. Imagem: Reprodução / Pexels

Todavia, outra preocupação de Georgiva é a estrutura atual do acordo de Paris, pois não proporcionaria a redução necessária de 25% a 50% das emissões na próxima década. Com isso, a mudança climática continuaria representando uma ameaça à economia e à vida.

Sendo assim,  a líder pediu aos principais emissores que estabeleçam um preço mínimo para o carbono. Por fim, só a adesão das grandes potências econômicas poderiam abrir caminho para um consenso global. “Isso proporcionaria uma orientação clara e uma base sólida para construir um consenso global sobre ações que poderiam ser tomadas para atingir essa meta conjunta”, finaliza Kristalina.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes