Novo auxílio emergencial deve voltar em março; veja como conseguir

Segundo previsão do próprio presidente Jair Bolsonaro, novo auxílio emergencial chamado BIP deve voltar no mês de março. Ainda sem detalhes sobre valor e prazo de duração, o benefício será tão amplo quanto ao do ano passado.

Após especulações sobre a volta do novo auxílio emergencial, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira, 11 de fevereiro, que o benefício deve voltar no próximo mês de março. A declaração foi dada durante um evento em Maranhão, e não contou com mais detalhes sobre o recurso.

Sem informar o valor do auxílio, Bolsonaro disse que a medida deverá ter duração de 3 ou 4 meses. Segundo ele “é inviável manter o benefício por um praz indefinito”, e “está quase certo” que em março alguns brasileiros terão acesso ao novo auxílio. Até o momento, o ministério da Economia do governo estuda aplicar o valor de R$ 200, diferentemente do anterior, que foi de R$ 600.

O auxílio emergencial ajudou milhares de brasileiros no ano de 2020, marco pela crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. A finalidade da medida é amparar trabalhadores informais, autônomos e desempregados. O auxílio do ano passado também se estendeu aos inscritos do Bolsa Família, e o último depósito ocorreu no dia 29 de dezembro. No entanto, o novo auxílio emergencial será reformulado por completo.

Novo auxílio emergencial será diferente

Imagem mostra uma nota de dinheiro de 50 reais
(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Não só o valor será diferente. O governo de Bolsonaro planeja dar um novo nome ao programa do auxílio emergencial. A sigla BIP, que equivale a Bônus de Inclusão Produtiva, deverá ser usada para se referir ao programa. Diferentemente do anterior, a transferência não será feita de forma direta na renda, mas sim de um auxílio temporário para amparar trabalhadores informais que buscam por emprego.

Leia também

PIB em 2020 caí 4,1%: entenda o que isso significa

Saiba como vai funcionar o cadastro do novo auxílio…

O público beneficiário será reduzido. No novo auxílio emergencial, Paulo Guedes, ministro da Economia, defende que as parcelas sejam destinadas à metade dos beneficiários. Ele afirmou que: “O auxílio emergencial, se nós dispararmos as cláusulas necessárias, dentro de um ambiente fiscal robusto, mais focalizado, em vez de 64 milhões de pessoas, pode ser a metade disso, porque a outra metade retorna para os programas sociais já existentes.”

Como conseguir o benefício?

- PUBLICIDADE -

O BIP, novo auxílio emergencial, será destinado a trabalhadores informais que não são contemplados pelo programa Bolsa Família.
Ao passo que, deve ser pago a mais de 30 milhões. O custo para o governo será de R$ 6 bilhões por mês. Em 2020, o auxílio atingiu 64 milhões de pessoas, bem como, inscritos no Bolsa Família fizeram parte do programa de maneira automática, passando a receber o benefício de maior valor.

Ademais, no caso do BIP, ao ter o benefício aprovado, o trabalhador terá que participar de um curso de qualificação. Podem ser feitas parcerias com órgãos do Sistema S, que devem ser os responsáveis pela capacitação. O benefício deve se associar também ao associado ao programa Carteira Verde e Amarela, que flexibiliza o pagamento de direitos trabalhistas para estimular contratações.

Portanto, os critérios de seleção não serão tão amplos ao passo que, em comparação com o ano passado, o valor das parcelas também será reduzido.

Quantas parcelas?

O novo auxílio emergencial deve contar com três parcelas de R$ 200. Essas informações são de reportagem da Folha de São Paulo, publicada no dia 7 de fevereiro. Entretanto, a informação ainda não foi confirmada pelo governo federa.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes