Novo auxílio emergencial: saiba se vai sair e qual o valor

As parcelas devem contar com um valor reduzido e menor número de beneficiários.

Diante do aumento de casos da Covid-19 e da continuidade das dificuldades econômicas, se discute a implementação de um novo auxílio emergencial. A volta do benefício é defendida por parte da sociedade e dos parlamentares, ao passo que o governo elabora o pagamento para não passar do teto de gastos. Além disso, as parcelas devem contar com um valor reduzido e menor número de beneficiários.

O auxílio emergencial foi criado com a finalidade de amparar trabalhadores informais, autônomos e desempregados durante a pandemia. E também se estendeu aos inscritos do Bolsa Família. Seu último depósito em conta digital ocorreu no dia 29 de dezembro do ano passado.

O auxílio emergencial vai voltar?

A discussão sobre a prorrogação do auxílio emergencial está inserida desde que as últimas parcelas estavam sendo depositadas. Entre os fatores para a manutenção do benefício nota-se que a pandemia continua em níveis preocupantes, impactando dentre outras coisas no mercado de trabalho, e muitas famílias ficaram desamparadas financeiramente com o fim do benefício.

O Congresso Nacional tem pressionado o governo federal para pautar a volta do benefício. Alguns deputados e senadores apresentaram variados projetos de lei pedindo pela continuidade do benefício, seja no valor de R$ 600 ou R$ 300.

Diante disso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, fala sobre a inclusão de uma “cláusula” de estado de calamidade pública para permitir a criação de novo auxílio emergencial. O objetivo é que os gastos com o benefício não sejam contabilizados no teto de gastos.

Após as eleições para presidência da Câmara e do Senado, ocorreram as primeiras conversas sobre esse assunto entre Arthur Lira (Progressistas-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e Guedes.

Auxílio para metade dos beneficiários

- PUBLICIDADE -

No novo auxílio emergencial, Guedes defende que as parcelas sejam destinadas a metade dos beneficiários. Na quinta-feira (04) ele afirmou que: “O auxílio emergencial, se nós dispararmos as cláusulas necessárias, dentro de um ambiente fiscal robusto, mais focalizado, em vez de 64 milhões de pessoas, pode ser a metade disso, porque a outra metade retorna para os programas sociais já existentes.”

De acordo com reportagem do Estadão, um dos critérios pensados para definir os beneficiários é selecionar aqueles que recebem o Bolsa Família e também os que estão na fila deste programa.

Leia também

Novo Bolsa Família: confira os benefícios que devem ser…

Bolsa Família 2021: inscritos com NIS de final 0 recebem…

Ainda segundo o texto, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR) explica que o objetivo é que as novas parcelas sejam pagas a quem realmente precisa e que há 5 milhões de pessoas na fila do Bolsa Família. “Pessoas precisando de ajuda neste momento são 5 milhões, que são aquelas que foram buscar ajuda” afirmou ao Estadão.

Nota-se que durante o pagamento do auxílio emergencial em 2020, os contemplados pelo Bolsa Família foram incluídos de maneira automática, e passaram a receber o benefício de maior valor.

Valor do novo auxílio emergencial pode ser menor

Ainda não está definido o valor e o número de parcelas do novo auxílio emergencial. Mas a quantia pode não chegar aos R$ 300, do auxílio residual pago no passado. Fala-se no valor de R$ 200 como alternativa.

A saber, o auxílio emergencial pagou cinco parcelas de R$ 600 para os beneficiários. E depois depositou até o fim de 2020, parcelas de R$ 300, sendo no máximo quatro. Ao passo que mães chefe de família tiveram direito a duas cotas do benefícios em ambos os casos.

Os beneficiários receberam o dinheiro através de poupança social digital, que pode ser acessada através do aplicativo Caixa Tem. Após alguns dias do depósito, os valores eram liberados para saques e transferências. Tudo isso em seis ciclos de pagamentos, que eram divididos de acordo com o mês de aniversário dos cidadãos.

- PUBLICIDADE -

Com informações de Estadão

 

Leia também:

Auxílio Emergencial não resgatado soma R$ 1,4 bilhão

O que pensa Arthur Lira sobre o auxílio emergencial?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes