Empréstimo via maquininha para MEI: entenda como vai funcionar

A linha de crédito para microempreendedores tem como base a movimentação financeira pelas máquinas de cartão. A Peac Maquininha disponibiliza empréstimos de até R$ 50 mil.

A Peac Maquininhas, Programa Emergencial de Acesso ao Crédito – Maquininhas, é mais uma medida do governo  para conter os efeitos da crise econômica, agravada pela pandemia de Covid-19. A nova modalidade de crédito é exclusiva para Microempreendedores Individuais (MEIs) que utilizam as maquininhas de cartão para venda de produtos e serviços.

Contudo, quais são as vantagens de contratação da Peac Maquininhas? Para isso, o jornal DCI conversou com o diretor financeiro contábil da Tax Consulting Brasil, Rogério Laviano, sobre a nova linha de crédito.

O que é o Peac Maquininhas?

A Peac Maquininhas é a Medida Provisória (MP) que integra a Lei 14.042/2020, sancionada em agosto de 2020. Ao todo, cerca de R$ 10 bilhões foram liberados como forma de crédito para MEIs, Micro e Pequenas Empresas. Contudo, a modalidade de crédito tem como base de contratação a movimentação financeira de compra e venda por máquinas de cartão, as maquininhas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A instituição responsável por coordenar o Programa é o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Dessa formas, os recursos serão liberados a partir da contratação de operação de crédito interna. Ou seja, por meio de contratos ou emissão de títulos da dívida pública.

Sendo assim, o diretor financeiro contábil, Rogério Laviano declara que o financiamento pelo governo é o grande diferencial em relação aos demais programas de acesso ao crédito.  “A vantagem dessa MP é que o governo vai financiar 100% do crédito“, declara. 

Além disso, Laviano destaca outras vantagens para a contratação da Peac Maquininhas. “O juros é extremamente convidativo e também o prazo. São 6 meses de prazo para que o empresário consiga se adequar e se preparar para a retomada [econômica]”, afirma. A microempresa pode solicitar o empréstimo de até R$ 50 mil de crédito, com  pagamento em 36 meses, sendo os primeiros 6 de carência, como explica o diretor financeiro. 

Pronampe versus Peac Maquininha: Qual é mais vantajoso?

mesa com calculadora, papéis e canetas
Foto:Pixabay

Assim como a Peac Maquininha, o Pronampe faz parte do pacote de medidas econômicas realizadas este ano. A linha de crédito destinada a micro e pequenas empresas, de faturamento até R$ 4,8 milhões por ano, não foi suficiente.

“O Pronampe é uma medida muito boa, só que não chegou em quem mais precisava. Esse foi o grande problema”, declara Rogério Laviano. Sendo assim, a Peac Maquininha pode facilitar o acesso ao empréstimo daqueles que não obtiveram a linha de crédito anterior.

Os requisitos para solicitação são semelhantes ao Pronampe, como ter tido faturamento de até R$ 4,8 milhões em 2019. E, destinado exclusivamente para microempreendedores individuais (MEIs), micro e pequenas empresas. Entretanto, para contratar a Peac, é necessário que:

  • os solicitantes tenham realizado vendas de bens ou prestações de serviços realizadas por meio de cartões de crédito, débito ou pré-pago; e
  • não tenham, na data da formalização do financiamento, operações de crédito ativas garantidas por recebíveis de cartões de crédito, débito ou pré-pago. 

“Se todo mundo tivesse acesso, é tão boa e até mais vantajosa que o Pronampe”, assegura Laviano em relação à nova linha de crédito, que tem como garantia as movimentações por máquinas de cartão. Ademais, a garantia de financiamento é inteiramente pelo governo como destaca o diretor financeiro. “Se o banco disponibilizar R$ 50 mil para uma microempresa e ela, porventura, não honrar com o pagamento, a instituição bancária não vai arcar com o prejuízo, mas é o governo que vai cobrir”, afirma.

Para Laviano, conseguir empréstimo pelo Peac Maquininha “é mais vantajoso que o Pronampe e vai girar mais rápido”, no sentido de retomada e, consequentemente, recuperação econômica. 

 

Situação do Micro e Pequenos Empresários

fachada de comércio
Foto:Pixabay

O fechamento de muitos comércios, como forma de conter a disseminação da Covid-19 agravou a economia e, consequentemente a sobrevivência de empresas, bem como a manutenção dos empregos. Segundo dados do IBGE, divulgados em setembro, há 12,9 milhões de desempregados no Brasil.

Acerca disso, Rogério Laviano destaca que medidas emergenciais são importantes, porém precisa-se garantir que atinjam quem mais necessita. “É importante ressaltar que, a exemplo de outras medidas que estiveram disponíveis para os empresários como o Pronampe, deve-se garantir que o valor chegue na ponta”, isto é, seja um auxílio efetivo para a cobertura de custos e gastos. “Muitas vezes, pequenos e médio empresários não têm acesso [ao crédito], devido a burocracia”, acrescenta. 

Além disso, para Laviano “hoje, respeitando todas as faixas de empresariado no Brasil, o pequeno [empresário] é quem empreende e emprega, sendo uma grande parcela da sociedade. Então, é necessário que ele tenha esse fôlego para que consiga sobreviver.”

Por fim, o diretor financeiro destaca que a inclusão de políticas econômicas, como as medidas emergenciais voltadas às micro e empresas de pequeno porte, pode resultar em algo duradouro e importante para a manutenção da economia brasileira nos próximos anos.

Hoje, não existe um plano muito eficaz em relação a empréstimo para pequeno empresário. Seria necessário que esse tipo de linha de crédito se torne permanente para garantir o giro e o empreendedorismo do Brasil. Sendo assim, uma garantia de sobrevivência das empresas e empregos também”, conclui.  

Informar Erro
Fonte BNDES

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes