Novo estímulo de acesso ao crédito pode ser votado após 1º turno

Novo estímulo de acesso ao crédito segue no Senado e prevê a desburocratização dos documentos para empréstimos e renegociação de dívidas.

O Projeto de Lei nº 4.558/2020 prevê novo estímulo ao crédito com a eliminação da burocracia e o pedido de excesso de documentos de solicitação. Sendo assim, a renegociação de dívidas e a contratação de empréstimos de pessoas jurídicas e físicas, mas também acesso ao crédito rural, terão simplificação. Portanto, a facilitação do crédito será uma medida de retomada da economia.

Além disso, o relator da PL, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) justifica a desburocratização para o acesso ao crédito ao dizer que “há uma infinidade de exigências impostas”.

Menos documentos para ter acesso ao crédito

Se a PL for aprovada, os documentos para ter acesso ao crédito que não serão mais exigidos são:

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

  • Certidões negativas de tributos federais (CND);
  • Certidão de quitação eleitoral;
  • Comprovação de recolhimento do Imposto Territorial Rural (ITR);
  • Certificado de regularidade do Fundo de Tempo de Serviço (FGTS).
  • Consulta prévia ao Cadastro Informativo de Créditos (Cadin).

Além disso, para o crédito rural, o projeto suspende a obrigação do registro da cédula em cartório de registro de imóveis, se houver a vinculação de novos bens a ela. Também deixa de ser necessário o seguro para bens dados em garantia em Cédula de Crédito Rural (CCR).

Dessa forma, o projeto de acesso ao crédito prevê, no entanto, que essas dispensas não se aplicam às operações de crédito realizadas com recursos oriundos do FGTS.

Tendência mundial

Ao defender o acesso ao crédito, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) também cita que estudos do Banco Mundial mostram que economias muito maiores que a brasileira apresentam uma relação entre crédito doméstico privado e Produto Interno Bruto (PIB) bem superior. Como por exemplo, Estados Unidos,  Japão e China.

“Após meses desde o reconhecimento da calamidade pública, os impactos sociais e econômicos são alarmantes. As medidas sanitárias trouxeram, e ainda trazem, impactos imensuráveis, por causa da restrição ao funcionamento de empresas dos mais variados ramos, e pela redução da circulação de mercadorias e pessoas”, defende Bezerra.

Por fim, a PL tem como base a Medida Provisória nº 958/2020 que previa a facilitação de acesso ao crédito durante a pandemia. Além disso, a redução dos impactos econômicos que vigorou até 30 de setembro.

 

Leia também

Fonte Agência Senado

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes