Reforma tributária pode ser votada em março; veja as propostas em pauta

Relator e deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) acredita na aprovação da reforma tributária na Câmara, enquanto proposta enfrenta disputa política

Neste ano, o relator e deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) afirmou que acredita na aprovação da reforma tributária na Câmara até março. A informação foi dada em entrevista a uma rádio de seu estado, segundo a Agência Câmara de Notícias.

Aguinaldo Ribeiro afirmou que havia consenso entre estados e municípios para votar a reforma no final do ano passado, mas explicou que a proposta acabou entrando na disputa política entre o governo e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Para ele, votar a reforma passou a ser uma “necessidade”, dada a crise econômica atual. A reforma pretende simplificar e tornar mais eficiente a arrecadação tributária, unificando impostos que incidem sobre o consumo, como o ICMS e a Cofins.

 

Propostas do governo

São duas as propostas de reformulação do sistema tributário brasileiro. De autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), candidato apoiado por Maia à presidência da Câmara, uma das propostas em estudo é a PEC 45/19.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Nela, então, há a simplificação do sistema tributário nacional pela unificação de tributos sobre o consumo. Serão três tributos federais (IPI, PIS e Cofins), o ICMS (estadual) e o ISS (municipal). No lugar, haverá a criação um imposto sobre o valor agregado, com o nome de Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS) – de competência dos três entes federativos –, e outro, sobre bens e serviços específicos (Imposto Seletivo), de competência federal.

Já o Projeto de Lei 3887/20, apresentado pelo governo, cria a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), com alíquota de 12%, em substituição ao Programa de Integração Social (PIS) e à Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Dessa maneira, o texto que está sendo analisado pela Câmara dos Deputados corresponde à primeira etapa da reforma tributária pretendida pelo governo federal.

 

Passos da reforma tributária

O principal foco de Guedes está na unificação do PIS/Cofins, que é a primeira parte do plano feito pelo Executivo. Dessa maneira, essa foi a única proposta formalizada pelo governo. Em suma, o projeto de lei consiste em substituir o PIS e Cofins pela nova Contribuição Social sobre Movimentação de Bens e Serviços (CBS). A alíquota do novo tributo será de 12%, com possibilidade de dedução do imposto pago em cadeias anteriores do ciclo de produção da empresa.

Com isso, acabaria o chamado modelo cumulativo do PIS/Cofins. Este não permite deduções de imposto pagos ao longo do ciclo, mas tem alíquota muito menor, de 3,65%. O setor de serviços, que não consome muitos insumos ao longo da cadeia, teria um aumento na carga tributária.

Assim, a reforma visa tornar o PIS/Cofins em uma vocação mais simples. Todos os setores terão uma alíquota única, com exceção de instituições financeiras e seguradoras, que devem pagar uma alíquota de 5,8%. A princípio, a proposta não deve afetar o Simples Nacional. Mas o contribuinte que está no Simples e presta serviço para outra pessoa jurídica, este último pode tomar crédito da Contribuição Social sobre Operações de Bens e Serviços.

 

Leia também:

Guedes e Receita Federal criticam imposto sobre grandes fortunas

Imposto sobre herança: veja como funciona no Brasil e em outros países

Fonte Agência Câmara de Notícias

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes