Saiba como escolher o regime tributário ideal para sua empresa

Existem três tipos de regime que podem ser aplicados ao seu negócio, veja como escolher o melhor.

Cada empresa deve escolher um regime tributário para seguir. Isso acontece, porque as empresas devem pagar impostos e tributações ao governo. Mas elas podem escolher a forma mais adequada para cumprir com suas obrigações fiscais. Conversamos com especialista em contabilidade Rodrigo Silveira para saber como funciona cada regime e qual a melhor opção para sua empresa.

Quais os tipos de Regime tributário

Existem três tipos de regimes tributários comuns para as empresas escolherem. Veja quais são e como cada um deles funciona.

Nacional Simples

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O regime simples é, como seu nome aponta, o que a legislação mais simples. Nele, existe uma guia única, em que a empresa paga todos os seus impostos e contribuições. Nele, existe um limite de faturamento para a empresa optar por esse regime, que é de 4,8 milhões. A alíquota de imposto que a empresa paga pelo simples varia de acordo com seu lucro faturado, quanto maior o lucro, maior o valor pago.

Lucro presumido

Presumido, a empresa paga diversos impostos e contribuições em várias guias. Nesse regime o governo presume qual o percentual que a empresa vai ter de lucro. Isso varia para cada segmento. Por exemplo, para o comércio esse percentual é de 8%, para serviços sobe para 32%. Então, de todo o faturamento de uma empresa comercial, seu lucro será tido como 8%. Dai o imposto é cobrado referente a esses 8% de lucro. Tem um limite de faturamento também, porém é de 78 milhões. Um valor bem mais alto do que o limite do regime simples.

Lucro real

Já nesse regime tributário, o lucro considerado é o real que a empresa adquiriu, não é mais presumido pelo governo. Nesse caso, os impostos são cobrados referentes ao faturamento que a empresa teve. Se o negócio tiver prejuízo, ele fica isento de impostos federais também, pois sei lucro real foi negativo.

Foto mostra uma calculara, caneta e folhas em cima de uma mesa.
Foto: Reprodução

Qual o melhor regime tributário?

Escolher o melhor regime vai exigir um estudo por parte da empresa. Pois cada caso é um caso, então, a forma de tributação deve ser analisada, o que seria melhor para um, pode não se aplicar para outro.

A empresa deve analisar qual seu lucro e seus gastos, para saber qual ela pode escolher e qual faria mais sentido também. Caso a empresa tenha um faturamento acima de 78 milhões anuais, a única opção possível seria o lucro real. Mas caso, ela esteja abaixo disso, ela deve analisar sua margem de lucro e ver em qual regime ela vai gastar menos com as alíquotas dos impostos.

O especialista entende que, normalmente, para empresas pequenas, o regime simples costuma ser mais vantajoso. Para empresas médias e grandes é preciso fazer uma analise da margem de lucros. Mas cada caso é diferente e deve ser estudado.

Por exemplo, uma empresa que consegue 20% de lucro, vai optar pelo regime presumido, pois assim, ela pagaria menos impostos sobre o lucro. Mas caso a empresa ganhe 5% de lucro, é mais vantajoso escolher o lucro real, que vai taxar impostos apenas em cima desses 5%.

MEI – Microempreendedor individual

O MEI é uma tentativa de regularizar os trabalhares informais, ele atende à pessoas físicas, como um vendedor ambulante. Que não contribuía com impostos, mas não tinha direitos trabalhistas assegurados. Para aderir ao MEI, empresas ou trabalhador deve ter faturamento anual de até R$81 mil. Nesse caso, o trabalhado cria um CNPJ vinculado ao seu CPF. E ele recolhe uma guia mensal, que inclui os impostos. Dessa maneira, ele fica legalizado.

A tributação é fixa em um valor de R$53,25 para comércios, R$53,25 para indústrias, R$57,25 para prestação de serviços e R$58,25 no caso da empresa ser de comércio e de serviço ao mesmo tempo.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes