Se assinar carteira perde o Auxílio Brasil 2021? Entenda a regra

Além de pagar o benefício, o novo programa também tem como objetivo estimular a emancipação das famílias principalmente por meio do incentivo à inserção ao mercado de trabalho formal

Conseguiu um emprego e está na dúvida se assinar carteira perde o Auxílio Brasil? Então, entenda a regra de emancipação que está prevista pela Medida Provisória nº. 1.061/2021, e que também estabelece o incentivo à inserção de adolescentes, jovens e adultos no mercado de trabalho formal.

A iniciativa tem como objetivo de reduzir a pobreza e a extrema pobreza das famílias beneficiárias. Diante disso, saiba quando esse pagamento pode ser cortado.

Cálculo da renda familiar para receber o Auxílio Brasil

Para saber se ao assinar carteira a família perde o Auxílio Brasil 2021, é necessário conhecer a renda permitida para participar do programa. Esse benefício é pago para quem está na situação de extrema pobreza que é caracterizada pela renda familiar mensal per capita no valor de até R$ 100,00.

Para aquelas que estão em situação de pobreza é levado em conta a renda familiar mensal per capita entre R$ 100,01 e R$ 200,00. A concessão do pagamento do Auxílio Brasil é feita a partir do cálculo da renda familiar per capita, que se trata do valor recebido por cada  pessoa.

De acordo com a Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, para realizar esse cálculo deve-se considerar “o conjunto de pessoas que vivem sob o mesmo teto, formado pelo solicitante”. Então, basta somar a renda bruta mensal de todos os componentes do seu grupo familiar e, depois, divida o valor total pelo número de pessoas.

Assim, é possível saber se você se enquadra no limite de renda para receber o Auxílio Brasil, além de conferir se a renda obtida ao assinar carteira não causará a perda do Auxílio Brasil 2021 como veremos a seguir.

Se assinar carteira perde o Auxílio Brasil?

Assinar a carteira não é motivo para o desligamento imediato do Auxílio Brasil, mas existe a seguinte regra: as famílias beneficiárias que tiverem aumento da renda familiar mensal per capita que ultrapasse o valor da linha de pobreza (renda familiar por pessoa de até R$ 200,00) serão beneficiadas pela Regra de Emancipação.

Isso permite a permanência no programa Auxílio Brasil pelo período de dois anos, com o objetivo de garantir que a família tenha segurança durante o processo de emancipação financeira. Assim, a família cujo membro assinar a carteira poderá continuar no programa, além de receber sua remuneração relativa às suas atividades profissionais.

O desligamento do programa acontecerá somente após os 24 meses e, caso seja necessário receber novamente o benefício terá prioridade. No entanto, a Regra de Emancipação não se estende para as famílias cuja renda mensal per capita supere em duas vezes e meia o valor da linha de pobreza, ou seja, R$ 500,00. Diante disso, se assinar carteira perde o Auxílio Brasil.

Para conferir se houve o aumento na renda familiar, o governo vai utilizar mensalmente os dados do CadÚnico (Cadastro Único para programas sociais), assim como outras bases de dados oficiais. O cidadão que assinar carteira e não quer perder o benefício de imediato também pode fazer o cálculo da renda bruta familiar para saber se ainda se enquadra na Regra de Emancipação. 

Bônus para quem conseguir um emprego

É importante lembrar que o Auxílio Brasil também pretende incentivar que as famílias saiam da linha da pobreza e extrema pobreza. Isso será feito por meio da concessão de auxílios complementares para incentivar a emancipação das famílias. 

Então, para quem tem dúvida se assinar carteira perde o Auxílio Brasil 2021 saiba que um dos benefícios pagos para auxiliar financeiramente as famílias é o auxílio Inclusão Produtiva Urbana. Esse benefício pagará mensalmente  a quantia de R$ 200 para as famílias que comprovarem o vínculo de emprego formal de um dos seus integrantes.

Além disso, aquelas que possuam em sua composição crianças com idade de zero até 48 meses incompletos e não conseguirem uma vaga na rede educacional pública ou privada conveniada com o poder público também terão direito ao auxílio Criança Cidadã.

Por sua vez, esse pagamento será feito desde que a família comprove que possui vínculo em emprego formal com carteira assinada ou que exercer atividade remunerada. Nesse caso, pode ser o trabalho desenvolvido como autônomo, empreendedor individual ou profissional liberal, por exemplo.

Segundo o decreto nº 10.852, esse auxílio será de R$ 200 mensal para as famílias que tenham crianças matriculadas em turno parcial, e de R$ 300 quando a criança estiver matriculada em turno integral. 

Leia também: Benefício bloqueado do Auxílio Brasil? Saiba o que fazer

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes