Suspensão de contratos e redução de salário vai continuar em 2021

A Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira, 10 de agosto de 2021, por 304 votos a 133, o texto-base da Medida Provisória 1045/21, que renova o programa de redução ou suspensão de salários e jornada de trabalho com o pagamento de um benefício emergencial aos trabalhadores.

O texto faz parte das iniciativas do governo para evitar demissões durante o período da crise sanitária provocada pelo novo coronavírus.

Vai ter prorrogação da suspensão de contratos e redução de salário?

A Medida Provisória 1045/21 agora precisa ser aprovada pelo Plenário do Senado para se tornar lei em definitivo. Segundo a MP, o Novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda garantirá o pagamento de uma parte do seguro-desemprego ao trabalhador que tiver o contrato suspenso ou o salário e a jornada reduzidos em razão da pandemia de Covid-19. As regras valem para quem tem carteira assinada e para os contratos de aprendizagem e de jornada parcial.

O valor a receber dependerá de quanto for a redução. Se o acordo entre empregador e empregado for individual, sem participação do sindicato, a redução poderá ser somente de 25%, 50% ou 70%, tanto do salário quanto da jornada de trabalho.

Propostas para a prorrogação da suspensão do contrato de trabalho:

  • pagamento do Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda;
  • redução proporcional de jornada de trabalho e de salários;
  • suspensão temporária do contrato de trabalho.

Até quando posso suspender o contrato de trabalho 2021?

Se a MP for aprovada, o empregador poderá, durante o prazo de 120 dias, contado de 28/04/2021, data de publicação da Medida Provisória Nº 1045 de 2021, poderia acordar a suspensão temporária do contrato de trabalho de seus empregados, de forma setorial, departamental, parcial ou na totalidade dos postos de trabalho.

Trabalhadoras gestantes

A MP 1045/21 acrescenta também regras específicas para a concessão do benefício a gestantes, inclusive a empregada doméstica.

Quando a gestante entrar em licença-maternidade, o empregador deverá informar o fato ao Ministério da Economia, suspender as regras do programa de redução ou suspensão salarial e de jornada e pagar o salário com base no que ela recebia antes de entrar no programa. As regras preveem o pagamento pelo empregador e o desconto do valor do INSS a recolher dos demais empregados da folha de pagamento.

Isso se aplica ainda ao segurado ou à segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção, observados os prazos de recebimento conforme a idade.

No caso da gestante, a garantia provisória contra demissão contará depois daquela prevista na Constituição, que é do momento da confirmação da gravidez e até cinco meses após o parto.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

+Gestante tem garantido trabalho remoto e sem redução de salário

+Bolsonaro vai aumentar o Bolsa Família em 2021?

Mostrar comentários (6)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes