CBS: o que muda com a unificação do PIS e Cofins?

Unificação dos impostos é o principal foco de Guedes para a reforma tributária, e atribuirá nova alíquota de 12% sobre o consumo

Após as eleições municipais e diversas discussões econômicas, a reforma tributária ficou marcada para 2021. O pivô da questão se concentra na proposta faz parte da reforma e foi encaminhada pelo governo em julho, e trata do projeto traz a unificação do PIS e Cofins e substitui pela Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS).

Em dezembro de 2020, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu o cancelamento do recesso parlamentar de janeiro para que a Câmara e o Senado votassem em propostas de combate à pandemia e medidas de ajustes fiscais, que inclui o texto que institui a CBS.

 

Proposta da reforma tributária

Atualmente, quem paga o PIS/Cofins são as empresas, sobre a importação, receitas e folha de pagamento. O problema é que se trata de uma legislação complexa, com muitas exigências, disputas judiciais bilionárias e incidência sobre outros tributos. As principais alíquotas são de 3,65% do regime cumulativo e 9,25% do não cumulativo, com arrecadações de R$66,08 bilhões do PIS e R$ 246,55 bilhões do Cofins.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Na primeira parte da proposta para o governo, o Congresso tem três modelos de reforma tributária para analisar. Assim, todos trazem a unificação de impostos, mas diferem no número de tributos envolvidos e no tempo de transição.  

O principal foco de Guedes deve ser na unificação do PIS/Cofins, que é a primeira parte do plano elaborado pelo Executivo. Dessa maneira, essa foi a única proposta formalizada pelo governo. Em suma, o projeto de lei consiste em substituir o PIS e Cofins pela nova Contribuição Social sobre Movimentação de Bens e Serviços (CBS). A alíquota do novo tributo será de 12%, com possibilidade de dedução do imposto pago em cadeias anteriores do ciclo de produção da empresa.

Com isso, acabaria o chamado modelo cumulativo do PIS/Cofins, que não permite deduções de imposto pagos ao longo do ciclo, mas tem alíquota muito menor, de 3,65%. O setor de serviços, que não consome muitos insumos ao longo da cadeia, teria um aumento na carga tributária.

Assim, a reforma visa tornar o PIS/Cofins em uma vocação mais simples. Todos os setores terão uma alíquota única, com exceção de instituições financeiras e seguradoras, que devem pagar uma alíquota de 5,8%. A princípio, a proposta não deve afetar o Simples Nacional. Mas o contribuinte que está no Simples e presta serviço para outra pessoa jurídica, este último pode tomar crédito da Contribuição Social sobre Operações de Bens e Serviços.

 

Quais as mudanças com a unificação do PIS e Cofins?

Dessa maneira, a contribuição teria cobrança sobre o preço final do produto ou serviço, na venda no mercado interno ou exportação. A alíquota proposta pelo governo é de 12%. A empresa pode recuperar o tributo pago em tudo o que ela comprou.

A mudança ocorre seis meses após a aprovação da lei, sem transição. Assim, serão respeitadas as isenções com prazos definidos. Portanto, a CBS será um tributo federal com tributação uniforme em todo o país. A alíquota é a mesma para todos os bens e serviços, com exceções previstas na lei.  A CBS traz como características a incidência não cumulativa, desoneração completa das exportações com crédito financeiro imediato e tira da base de cálculo do tributo ICMS, ISS e a própria CBS, seguindo entendimento da Justiça.

Para a tributação de plataformas digitais, responsabiliza plataformas digitais pelo recolhimento da CBS quando a empresa vendedora não emitir documento fiscal eletrônico, e responsabiliza plataformas e serviços de streaming estrangeiros pelo recolhimento da CBS, mediante cadastro na Receita Federal.

Dessa maneira, fica mantida a destinação atual de recursos:

  • 82% para a seguridade social;
  • 13% para seguro-desemprego e abono salarial;
  • 5% para programas de desenvolvimento do BNDES.

A expectativa é que empresas que estão no regime de lucro presumido e recolhem atualmente 3,65% de PIS/Cofins tenham aumento de carga, principalmente no setor de serviços. Por outro lado, a tributação sobre bens (produtos industrializados, por exemplo) deve diminuir.

 

Avaliação sobre os tributos para serviços

Segundo a avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o modelo “traz simplificação, reduz a cumulatividade, melhora a distribuição da carga tributária e confere maior transparência para o pagamento de impostos”. As ressalvas apresentadas eram sobre a necessidade de inclusão de um dispositivo que determine a redução da alíquota da CBS caso a carga tributária resultante da nova tributação supere a do atual modelo do PIS/PASEP e Cofins.

Já para o presidente da Confederação Nacional de Serviços (CNS), Luigi Nese, a unificação da contribuição ao PIS com a Cofins em uma sistemática não cumulativa, independentemente da alíquota praticada, teria impacto negativo nos setores da:

  • agropecuária da indústria extrativa;
  • construção civil;
  • e dos serviços privados não financeiros.

O Ministério da Economia informou que, com a criação da Contribuição sobre Bens e Serviços, cada empresa só paga sobre o valor que agrega ao produto ou ao serviço. O imposto é mais transparente porque incide sobre a receita bruta e não mais sobre todas as receitas. E está alinhado aos IVAs mais modernos.

 

Leia também:

Reforma tributária: o que muda com a proposta do governo?

Guedes propõe aumento na arrecadação de impostos em 2021

Fonte Folha de S. Paulo

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes