Vai ter a 8ª parcela do auxílio emergencial 2021?

Entenda o que seria necessário para criação de uma 8 parcela do auxílio emergencial e quem teria direito

Com o fim do auxílio emergencial se aproximando, famílias que dependem do repasse federal questionam se haverá uma nova prorrogação. Afinal, vai ter a 8ª parcela do auxílio emergencial 2021? 

Haverá 8 parcela do auxílio emergencial 2021?

As dúvidas sobre uma eventual prorrogação do auxílio emergencial aumentam à medida que o calendário de pagamento avança. Mas a verdade é que não há nada que confirme isso até agora. O Governo Federal não expressou qualquer posicionamento oficial que sustente a tese da criação da 8 parcela do auxílio emergencial 2021. Mas, caso o Governo Federal decida prorrogar o auxílio, um oitovo, ou até mesmo um nono pagamento, seriam realizados. 

Sendo assim, a existência de uma 8 parcela do auxílio emergencial 2021 está diretamente relacionado às últimas notícias sobre prorrogação do auxílio até 2022. A base de apoio do presidente da república, Jair Bolsonaro (Sem Partido), já considerou a possibilidade várias vezes. 

A verdade é que com o fim do auxílio emergencial 2021, Bolsonaro espera dar início ao pagamento do Auxílio Brasil. O programa social é uma reformulação do Bolsa Família e deveria começar a vigorar em novembro deste ano. Mas, a Medida Provisória que o cria segue travada no Congresso Nacional. 

Auxílio emergencial vai até quando?

Por enquanto, a previsão é de que o fim do auxílio emergencial 2021 ocorra ainda este mês. Porém, como trabalhadores do público geral ganham direito ao saque do valor recebido apenas duas semanas depois do depósito, em novembro ainda existirá auxílio. 

Mas, em novembro ocorreu apenas a liberação do saque da sétima e última parcela do auxílio emergencial 2021. Assim, até o momento, não é verdade que o pagamento do auxílio emergencial vai até dezembro de 2021. 

Conforme o Ministério da Cidadania, o foco do Governo Federal é viabilizar o fim do Bolsa Família e começar o pagamento do Auxílio Brasil ainda em novembro. “Após os pagamentos da sétima parcela do Auxílio Emergencial 2021, o Governo Federal dará início ao Auxílio Brasil”, defende a pasta. 

Apesar disso, a Medida Provisória que cria o novo benefício a partir da reformulação do Bolsa Família segue parada no Congresso Nacional. Caso a Câmara e o Senado não coloquem em votação o texto até dezembro deste ano, ele será considerado fora de validade pelas entidades democráticas e se tornará um fracasso da gestão Bolsonaro. 

Sendo pró-governo, porém, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), tem pressionado a realização de um plenário sobre a proposta. Assim, a votação da Proposta de Emenda Constituição (PEC) dos Precatórios pode ocorrer na próxima semana. 

Como fica o Bolsa Família depois do fim do Auxílio Emergencial?

Bolsonaro tem apresentado a PEC como principal fonte de verbas para viabilizar a criação do Auxílio Brasil. Assim, o futuro do benefício, e também do Bolsa Família, depende do que a Câmara decidir em votação.

Diante da pressão e incerteza sobre a criação do Auxílio Brasil, Bolsonaro e aliados começam a discutir a possibilidade de prorrogar o auxílio emergencial para 2022. A ideia é usar o auxílio como um “tapa buraco” enquanto articulam politicamente a implementação do Auxílio Brasil. 

Enquanto isso não ocorre, começam a surgir discussões para o que será feito com as 20 milhões de famílias que deixaram de receber auxílio do governo com o fim do auxílio emergencial e do Bolsa Família.

A proposta mais aceita internamente é da criação de um auxílio transitório de até R$ 250 para quem ficar de fora do Auxilio Brasil, mas nada está definido oficialmente.

LEIA TAMBÉM 

Mostrar comentários (2)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes