Crowdfunding: entenda como funciona o investimento coletivo

A modalidade apresenta diferentes formas de ser realizada, e pode beneficiar empresas de diversos setores

Em agosto, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou alterações temporárias nas regras de captação de recursos via plataformas de crowdfunding de investimento. A medida foi tomada para conter o impacto da pandemia da covid-19 e são voltadas a empresas de pequeno porte, ampliando as possibilidades de financiamento. Com tais mudanças, além das próprias regras da CVM já existentes, empreendedores podem encarar o crowdfunding de investimento como uma saída para seus objetivos. Entenda mais sobre:

 

O que é crowdfounding?

Uma forma de investimento coletivo ou colaborativo, é um instrumento que permite a captação de recursos para startups que precisam de capital financeiro, com um retorno de médio ou longo prazo. É uma alternativa para o empreendedor se autofinanciar.

 

Como realizar um crowdfunding de investimento?

Em suma, o primeiro passo para fazer um crowdfunding de investimento é oferecer produtos que funcionem como soluções inovadoras para certas dores ou problemas. A proposta deve ser bem fundamentada e concreta. Em seguida, é encontrar a plataforma certa, que esteja alinhada com a empresa. Entretanto, o empreendedor deve estudar com cuidado para evitar impactos negativos.

A verba arrecadada geralmente possui um objetivo específico, além de testar a aceitação do produto ou serviço proposto. Existem alguns modelos de crowdfunding de investimento empresarial:

  • Doação: não há contrapartida dos investidores, e costuma funcionar em projetos de filantropia ou apelo social.
  • Recompensa: investidor não recebe o dinheiro de volta, mas as empresas oferecem o produto final antes de ser lançado como uma contrapartida, por exemplo
  • Empréstimo: o empreendedor devolve o dinheiro investido depois de um período, sem a participação de investidores no negócio.
  • Equity croudfunding: o investidor ganha, então, participação no negócio ao tornar-se sócio.

Após realizar o processo, portanto, o empreendedor deve buscar transparência ao divulgar informações ao grupo de investidores e manter a rede ativa. Dessa maneira, os investidores estarão atentos se está sendo bem sucedido ou não.

 

Leia também:

5 linhas de financiamento para micro e pequenas empresas

Empresas de SP podem solicitar linha de crédito Fungetur; veja as regras

Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.