Investimentos para apoiar fusão dos negócios da Farmoquímica

Investimento é parte da estratégia da IFC para apoiar produtores, distribuidores e varejistas farmacêuticos, diz especialista.

SÃO PAULO (Reuters) – O IFC, braço do Banco Mundial, anunciou nesta sexta-feira que está liderando um investimento de 365 milhões de reais para apoiar a fusão dos negócios da Farmoquímica, subsidiária do laboratórios argentino Roemmers, e a Divcom, especialista brasileira de medicamentos de venda livre. A fusão concluída em setembro de 2017 criou o FQM Grupo, um dos maiores grupos farmacêuticos no Brasil, focado em medicamentos controlados e de venda livre.

Investimentos

Os investimentos são compostos por um empréstimo de 65,1 milhões de reais com prazo de oito anos; outro de 31 milhões de reais com prazo de seis anos; e a emissão de debêntures no valor de 269 milhões pelo prazo de seis anos, coordenada pelo Bradesco BBI. “Esse investimento é parte da estratégia da IFC para apoiar produtores, distribuidores e varejistas farmacêuticos eficientes que podem contribuir para tratamentos de saúde acessíveis e de qualidade na América Latina”, disse Carmen Valéria de Paula, responsável da IFC para Saúde e Educação na América do Sul. Fundado em 1932 pelo médico italiano Ermínio Vella, a FQM tem sede no Rio de Janeiro.

O portfólio da FQM inclui mais de 90 medicamentos para especialidades como dermatologia, ginecologia, otorrinolaringologia, pediatria, ortopedia e cardiologia. Desde a incorporação pelo grupo Roemmers em 2001, a FQM vem fazendo várias aquisições incluindo a Invictus, de simbióticos, a Melora, de dermocosméticos, e a Divcom, dona de marcas como Varicell, Calcitran e Imecap.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

(Por Aluísio Alves)

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes