Fórmula 1 fora da Globo: como serão as transmissões em 2021?

Depois de quase 40 anos seguidos de parceria, a Rede Globo deixará de exibir corridas de Fórmula 1 a partir de 2021

Depois de quase 40 anos seguidos de parceria, a Rede Globo deixará de exibir corridas de Fórmula 1 a partir de 2021. Assim, a Liberty Media, dona dos direitos comerciais da categoria, busca outras emissoras de TV aberta e fechada para continuar transmitindo as corridas no Brasil.

Em comunicado oficial, a Globo explicou sua decisão: “Como parte da revisão de seu portfólio de direitos, um dos maiores entre emissoras de TV do mundo, a Globo optou por não renovar os direitos de transmissão da Fórmula 1 a partir de 2021. Mesmo sem a transmissão das corridas, a Globo continuará a fazer a cobertura da categoria em suas diversas plataformas”.

A emissora não revelou os motivos que levaram ao fim do contrato. Mas o interesse do público no Brasil já não é o mesmo depois que Felipe Massa deixou a categoria, em 2017. Desde então, a Fórmula 1 ficou sem nenhum piloto brasileiro, e apenas um piloto levantou o caneco nos anos seguintes: Lewis Hamilton.

Além disso, de acordo com o UOL, a Globo teria oferecido US$ 20 milhões (R$ 106 milhões na cotação atual) para renovar o contrato. No entanto, a Liberty Media queria receber mais, e a negociação travou. Por outro lado, a emissora faturava quase R$ 500 milhões por anos com os parceiros comerciais da Fórmula 1. Cervejaria Petrópolis, Nivea, Renault, Santander e TIM pagavam quase R$ 100 milhões cada um.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Quem fica com a F1?

Com mais de 115 milhões de telespectadores por ano, o Brasil é o maior mercado de TV no mundo para a Fórmula 1. Afinal, é um dos poucos países que transmite as corridas na televisão aberta. Ou, pelo menos, transmitia. Com a Globo fora do páreo, surgem outros candidatos a ficar com os direitos das corridas a partir de 2021.

Um deles é a Rio Motorsports, empresa que tenta transferir o GP do Brasil para o Rio de Janeiro. O grupo já adquiriu os direitos de exibição da MotoGP, o mundial de motovelocidade, para repassar a outras TVs – no caso, a Fox Sports. Caso feche também com a Liberty Media, deverá fazer o mesmo com a Fórmula 1. A ideia é negociar as cotas de patrocínios e dividir custos e lucros das transmissões com as emissoras. E nada impede que uma das parceiras seja a própria Globo.

Por outro lado, segundo o site Grande Prêmio, a Liberty Media analisa outras opções para manter a Fórmula 1 na TV aberta brasileira. Assim, teria iniciado conversas com SBT, Band e TV Cultura. O SBT acaba de adquirir a Libertadores e contratou Téo José, narrador com experiência no automobilismo. A Band, por sua vez, já transmite a Fórmula Indy e poderia usar isso a seu favor.

Quanto aos direitos de exibição na TV fechada, que também pertenciam à Globo por meio do Sportv, quem também monitora a situação é a Disney, que detém os canais ESPN e Fox Sports.

Fórmula 1 na Globo: fim de uma era

Galvão Bueno é o narrador oficial da Fórmula 1 na Globo
Divulgação

A relação entre Globo e Fórmula 1 começou em 1972, ano do primeiro GP do Brasil em Interlagos e também do primeiro título de Emerson Fittipaldi, transmitido em rede nacional pela emissora carioca. Em 1980, a temporada foi transmitida pela Band, com Galvão Bueno como narrador.

Em 1981, a Fórmula 1 voltou para a Globo e não saiu mais. No começo, quem narrava as provas era Luciano do Valle. Galvão Bueno foi contratado no mesmo ano, mas assumiu a função de locutor oficial das corridas somente em 1982. E fez história desde então, principalmente com as narrações das grandes vitórias de Ayrton Senna no começo dos anos 1990.

Ao longo de todo esse período, a Globo exibiu todos os oito títulos mundiais do Brasil na Fórmula 1: dois de Fittipaldi, três de Nelson Piquet e três de Senna. Transmitiu quase todas as temporadas na íntegra, com exceção de algumas provas realizadas na América do Norte, que chocavam com a programação por causa do horário. Também deixou de transmitir corridas que aconteciam ao mesmo tempo em que jogos da Copa do Mundo, por exemplo. Nestes casos, a exibição ficava a cargo do Sportv.

Com o fim da parceria, portanto, ainda não se sabe onde será possível assistir às corridas da Fórmula 1 a partir do ano que vem. Certo é que as narrações e comentários de Galvão Bueno e o famoso bordão de Cléber Machado “hoje não, hoje sim” vão fazer falta.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes