Julgamento de Carol Solberg, que gritou ‘Fora Bolsonaro’, é adiado; entenda o motivo

A jogadora de vôlei, Carol Spolberg, é acusada de descumprir dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva. O julgamento ainda não tem data prevista.

A jogadora de volêi, Carol Solberg, será julgada pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Isso porque gritou “Fora, Bolsonaro” em entrevista para o SporTV, em 20 de setembro, após ganhar a medalha de bronze no Circuito Nacional, em Saquarema (RJ).

O julgamento, previsto para hoje (6), teve adiamento após pedido da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e o Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH). As duas entidades externas defende que a manifestação política não pode ser criminalizada. Sendo assim, ainda não há uma nova data para o julgamento.

Julgamento de Carol Solberg, que gritou ‘Fora Bolsonaro’, é adiado

Segundo o STJD, Carol Solberg desrespeitou dois artigos, a saber, 191 e 258, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, ao manifestar-se quando ainda estava dentro da arena do torneio. O Subprocurador Geral do STJD do Voleibol, Wagner Dantas, foi quem denunciou e encaminhou o pedido de julgamento ao órgão jurídico de desportes.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De acordo com Dantas, Carol descumpriu o regulamento, isto é, “deixar de cumprir, ou dificultar o cumprimento de regulamento, geral ou especial, de competição”, além de “assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada”, ao gritar “Fora, Bolsonaro”. Ou seja, quebrou as regras previstas nos artigos 191 e 258, respectivamente.

Contudo, este é o primeiro caso em que uma manifestação política é motivo para julgamento, no voleibol. Caso Carol sofra penalização, a jogadora pagará multa no valor de R$ 100 mil (pena máxima). Além disso, ela pode ter suspensão de dois a seis torneios do vôlei.

Por fim,  a defesa de Carol é o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz.

Adiamento

O julgamento de Carol Solberg estava previsto para às 18h de 06 de outubro, por audiência virtual. Contudo, 12 horas antes do horário marcado, divulgou-se o adiamento. Dessa forma,  terá uma nova data, ainda sem previsão.

Ademais, a audiência entrará em análise, após solicitação da ABI e MNDH. Os pedidos de intervenção defendem que o julgamento fere o direito à liberdade de expressão, isto é, o Artigo 5º da Constituição Federal.

Um dos solicitantes do pedido de análise, o vice-presidente da ABI, Cid Benjamin, declarou que “na hipótese de se considerar que eles uniformizados não devam se manifestar politicamente, a regra tem que valer para todo mundo. Não dá para fazer o que a Confederação Brasileira de Vôlei está fazendo agora com a Carol”.

Também Benjamin acrescentou que “quando dois jogadores da seleção masculina fizeram propaganda do candidato Bolsonaro, fazendo o número dele etc, ninguém disse nada, agora, quando a Carol fala “Fora, Bolsonaro”, ela está ameaçada de ser punida. Ou bem a manifestação é tolerada e é permitida, ou bem a manifestação política não é tolerada e não é permitida. Mas aí independe da posição que for levada.”

Já o advogado que representa a MNDH e a ABI no STJD, Carlos Nicodemos, reinterou a invalidade do motivo de penalização para Carol. ” A ideia é posicionar que o procedimento aberto contra a Carol configura um meio de violação ao direito à liberdade de expressão à luz da nossa Constituição Federal e também os tratados internacionais de direitos humanos, como a Convenção Interamericana de Direitos Humanos da OEA e os tratados relacionados aos diretos humanos da ONU”, declarou. 

 

 

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes